sábado, 30 de junho de 2012

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Encontros e Reencontros...


Encontros e Reencontros...


Encontros, reencontros, partilha, entrega.
Amo-me. Amo e sou amada. É uma equação tão simples que de tão simples que é parece bom demais para ser verdade.
E nesta brincadeira a que me propus, esta de criar um blogue onde todos os dias (quase ;)!) escrevo/partilho a magia do dia/da Vida, o mais belo presente que tenho recebido é que como estou ainda mais atenta, dou-me conta de toda a abundância que temos ao nosso dispor quando aceitamos vê-la e recebê-la, e transbordo com uma gratidão inexplicável por palavras.
A minha amiga Elsa mandou-me uma mensagem há mais de uma semana dizendo que estava de férias até ao fim do mês e gostava de visitar-nos em nossa casa.
Andei bastante ocupada nas minhas viagens por aqui e por ali e finalmente, ontem de manhã disse à Janine “convidamos a Elsa para vir cá jantar hoje?” ao que ela respondeu “ok, boa!”
Entretanto vi outra querida amiga que por sinal me deu um presente – um livro muito bonito que ela fez sobre Tomar (é arqueóloga). Bem, disse-lhe “olha, hoje queres vir jantar lá a casa? A Elsa também vem, quer dizer, ainda não lhe perguntei mas claro que vem!” Ela respondeu “claro que sim!”
Liguei à Elsa. “Ok, fixe! Vocês gostam de sardinhas?” perguntou ela. “Sim”. “Tenho aqui 12 sardinhas mas vou comprar mais e levo para o nosso jantar”.
Sardinha assada…mmmmm… a acompanhar com batata nova e salada da horta. A Janine fez um delicioso tiramisu e ainda molotov com as claras que sobraram. A Salete já tinha trazido um monte de garrafas de vinho verde de Ponte de Lima noutro dia, pelo que ainda havia umas quantas (mas uma chegou!) Foi um verdadeiro banquete.
Brincámos todos, pequenos e graúdos, no chuveiro que temos na rua e celebrámos a Alegria da partilha de tudo –o AMOR, a ABUNDÂNCIA plena de nos permitirmos.
São estas coisas simples que coloram cada um dos meus dias.
E por fim, em tom de brincadeira “Ó amiga Elsa, agora ainda gosto mais de ti que antes! Com estas sardinhas deliciosas! hehe Vê lá, convidamos-te para jantar e ainda trazes a comida! Realmente temos muita sorte em ter uma amiga assim!:)”
E agora mesmo, em vez de ir almoçar a casa, decidi desfrutar do que tenho aqui ao meu dispor: um belo banho na piscina exterior do Hotel dos Templários seguido do deleite de ficar estendida numa destas camas de jardim, debaixo das árvores, com o cheiro doce da relva a brincar com os meus sentidos e os pássaros a darem-me alegres boas vindas. Ás vezes a abundância está mesmo debaixo do nosso nariz e nem sequer a vemos!
E no passado domingo passei por casa de uma amiga que não via há séculos, no meu caminho de volta de Cáceres, e que bela partilha! Tanto para dizer e desfrutar! E ainda por cima tive direito a um faustoso guisado de favas, um bom vinho, suculentas cerejas e a caminha feita para eu descansar como um anjo! :)
Sinto-me tão mimada. Que bom. E de manhã, ela levantou-se e preparou um verdadeiramente pleno pequeno almoço, coisa que não fazia há muito… é a vantagem de se ter visitas ;) E mais conversa e amor.
Enfim… vou parar por aqui hoje. Para mim, é isto a felicidade e a plenitude. Cada dia com as suas dádivas – dou todo o amor que tenho de muitas e variadas formas e recebo mesmo o que parece muito mais do que dou – mas não – dou o meu maior tesouro e a vida dá-me o seu!



segunda-feira, 25 de junho de 2012

TRUST!!!!



TRUST!!!


Now take a look at this funny event :)
Yesterday I left my daughter at her grandmother’s and then went out to take care of my daily life…
Her grandmother was complaining that she had lost her tweezers, that’s the last thing I heard as I left.
In the meantime I found a friend of mine in the street and we were inviting each other for lunch when we saw my daughter coming down the street. She had no idea where I was or what I was doing. She had rung the bell at my friend’s house, but as she was with me, in the street, of course she was not home.
So she finally arrived near us and we both asked what she was up to. She said “I’m going to buy some tweezers for my grandmother”. But she had nothing in her hands! So we asked “but where is your money, what are you going to buy them with?”. She said “I have no idea!” Oh boy, we laughed out loud! My daughter had left her grandmother’s house to buy the tweezers she was complaining about but had no idea how she was going to do it! That’s why she had stopped by at my friend’s house – she might have had the money she needed, but even though there was no one home, she still kept on walking down the street, somehow knowing she was going to buy the tweezers!
Of course I took her to the shop and we got not one pair but two pairs of tweezers! And that’s it.
The amazing thing is she had no idea how she was going to do what she had set out to do, but she did know that she was going to do it somehow. What a lesson she taught me!!!
Do you know what trust is?


sábado, 23 de junho de 2012

Coisas do AMOR


Coisas do AMOR


Vinha a refletir, ou melhor a sentir o meu estado agora permanente de amor e gratidão e tive um insight interessante que passo a partilhar.
Há momentos em que gostaríamos de receber mas em que nos fechamos a isso por acharmos que não temos nada para dar em troca. Facto interessante é que temos sempre muito para dar quando nos abrimos para receber, porque destapamos o que já lá estava mas parecia não estar!
É que entre dar e receber não há fronteira. É como a dualidade - apenas parece existir mas a realidade de quem nós somos é UNA
E se te permitires receber o que há para receberes? Será que não te darás depois conta do quanto tens para dar? Afinal de contas não deixas de inspirar por teres medo de expirar ou vice versa. É o fluxo natural da vida, dar e receber são um só nesse fluxo e ainda que não queiramos ver o quão abundantes somos, quando nos permitimos receber o que a vida tem para nós, percebemos que afinal não somos escassos – somos infinitamente abundantes!!!
Certo é que quando nos fechamos para Amar o mesmo ocorre com a Vida. Não há fronteira ente Amar e Viver – são a mesma coisa – SER.
Houve tempos em que eu sabia onde era o botão “delete” ou “escape” e em que tinha exímia perícia na construção de muros bem fortes e altos, sabia como se faziam portas sólidas para fechar o meu sentir e até sabia como fingir não sentir e ser o que sinto e sou. Tenho procurado esses botões e habilidades para testar se ainda servem algum propósito, mas por muito que procure não os consigo mais encontrar – felizmente!
Então dei-me conta de que quando nos abrimos totalmente para sentir a Vida por completo, e quando nos rendemos à absoluta transparência de Ser quem somos, não há meio de tapar, ocultar, esquecer, rejeitar o que está lá para ver e permitir. Dei-me conta que se conseguisse tapar uma parte do meu sentir (o que não consigo), taparia toda a minha autenticidade – ou seja, deixaria de ser eu – e, logo, deixaria de VIVER. Poderia dizer, “deixaria de ser inteiramente eu”, mas ou sou eu ou não sou, ou vivo ou sobrevivo, não há aqui meios termos. E acima de tudo, como VIVER é AMAR e vice versa, sou AMOR como sou VIDA – não há forma de ser um sem ser o outro e é esse o principal motivo porque os botões que erguem os muros desapareceram.
Escolho nunca mais dizer que não à Vida, nem erguer muros e fechar portas. Escolho fluir com o meu sentir e deixá-lo livre e solto. E nisto amo, simplesmente, sem motivo ou propósito senão  simplesmente amar. E sei que ao permitir-me amar sem barreiras em mim, recebo esse mesmo amor de volta, pois quando se fecha o amor seja de que forma for e para quem for, fecha-se o próprio fluxo de retorno da vida.
Amar não é uma emoção. É um estado de ser. Esse estado de ser pode ser experienciado de muitas formas distintas em nós mesmos e/ou com diferentes pessoas e obriga à transparência e… à vulnerabilidade… expõe-nos. Sim. E nisto liberta-nos, pois quando nos permitimos deixar o amor fluir, tudo em nós flui de forma natural e encontramo-nos em nós mesmos por nos permitirmos.

Se amar alguém é uma condição para a felicidade? Não. Amar é uma condição para a felicidade. (ponto) Aliás, não há condições para a felicidade para além de ser-se total em cada AGORA. Amar, a alguém em particular ou a tudo, faz parte do fluxo natural em ti.
Terá algum propósito deixar de viver o amor hoje por medo de o perder amanhã? Fará sentido deixar de sentir plenamente agora por se temer não saber gerir depois? Abre-te e vive AGORA tudo o que ÉS contigo e com a própria Vida. E se porventura amas alguém que parece distante de aceitar o teu amor, ama na mesma, o ganho é todo teu!!! O que importa mesmo aqui é como tu Amas, é quanto tu te permites Amar, seja o que for, seja quem for – mas acima de tudo e primeiro que tudo a ti mesmo/a. Ama, Ama, Ama e a Liberdade plena de Ser encontrarás, e a Paixão da Vida te preencherá de verdadeira completude :)




sexta-feira, 22 de junho de 2012

Sobre o SILÊNCIO / About SILENCE


Sobre o SILÊNCIO / About SILENCE


Estou no comboio.
I am on the train.
Mesmo à minha frente há um placard com uma linda menina de cabelos louros ao vento, no meio de um campo verde imenso, com um moinho de vento na mão.
A última frase do placard é “depende de si fazer uma escolha consciente” e depois “O ambiente agradece”.
Right in front of me there is a poster with a photo of a beautiful little girl on it, her long, blonde hair lightly swaying in the wind, standing amidst an immense field of green.
The last sentence on the poster says "making a conscious choice depends on you" and then "the environment will be thankful".

Sorrio.
I smile.

Pois bem. Quando escolhes conscientemente a tua realidade, de facto o ambiente agradece. Poupas-nos a todos da poluição dramática de emoções descontroladas que se geram quando os resultados práticos da tua existência ocorrem de forma aleatória simplesmente porque não paraste para escolher, e depois te queixas que não era isto que querias para ti!
When you consciously choose your reality, the environment is truly thankful! You spare us of the dramatic pollution created by the uncontrolled emotions which are generated as the practical result of your existence, when events happen at random simply because you didn't stop to choose - but then stop to complain that this is not what you wanted!

Todas as emoções derivadas do medo, ou seja da negação, criam muito ruído energético ao redor, e afetam todos os lugares e pessoas por onde passamos. Isto é poluição ambiental!
All emotions derived from fear, which is in fact denial, create immense energetic noise around us, and they affect all of the places and people we go by. THIS is environmental pollution!

Daí que, se a questão é ser altruísta, vale a pena parar e ser egoísta  (ou seja, escolher mesmo o que queremos para nós) para poupar o mundo inteiro ao conflito constante entre o que se pensa que se quer e o que ocorre sem querer por não haver escolhido – e oferecer-lhe em vez disso a ALEGRIA da nossa fluidez!
Therefore, if the issue is being altruistic, it is worth stopping to be selfish (in other words, choosing what we want for ourselves) in order to spare the whole world of the constant conflict between what we think we want and what happens without us wanting it, just because we have not chosen. Then we can offer the JOY of our fluidity!

SILÊNCIO agradece-se :)
SILENCE please! :)





quinta-feira, 21 de junho de 2012

Aventura...


Aventura...


É maravilhoso viajar. Descobrir novos mundos, perspetivas, novos olhares. É uma aventura de Ser.
Em tempos, quando viajava, no último dia antes de voltar sentia sempre uma certa tristeza por ter que deixar aquele lugar novo para ir para casa, Ir para casa era sempre um desafio, pois havia uma grande diferença entre a minha vida quando estava fora e a minha vida quando estava em casa. Quando comecei a estar em casa dentro de mim, passei a desfrutar de estar aqui ou ali de igual forma e agora o meu coração enche-se de Alegria quando vou ao encontro de novas experiências, da mesma forma que bate com regozijo quando regresso. Há tanto amor à minha espera!... quer lá, quer cá!
E dou-me conta que a grande diferença é que me amo como nunca antes e sou a mesma dentro e fora, por isso não importa onde esteja, o que encontro é igualmente especial.
Olha, sabes o que digo?
Obrigada!
Não me canso de dizer Obrigada! E em vez de trazer a mala cheia de souvenirs, trago o coração cheio de vida e é isso que ofereço nos meus beijos e abraços de reencontro.
Namasté!



quarta-feira, 20 de junho de 2012

Gifts Galore!


Gifts Galore!


Some days are so full of gifts that it’s just an ongoing sequence of “How much are you willing to receive?”
It is not just the tangible gifts. It is the people. It is the places. It is the feelings. It is the events. It is the experiences.
When these days come along I sit back and enjoy the ride and say to myself “YES, I CAN live this way, this is indeed MY LIFE”. Boundless gratitude overflows, filling my heart with a tender warmth of deep serenity.
This is it. The fact that I have worked long and hard to integrate myself enough to be able to finally appreciate all of this makes it all the more fulfilling.
Every step of the way has been worthwhile so far, and every step itself is all that matters, each moment. There is nowhere else to be but in the step itself.
Now some of the gifts of the day.
I was taken on a lovely visit through the main areas of the city of Stockholm and my senses were allowed to feast on the cultural movement of the Swedish people, which states that beauty should be a part of everyday life, everywhere.

Special care is taken with design, cuisine, nature, fashion, space, friendliness, health, well being, calmness, respect.

Children are respected, adults are respected, people in general are respectful and appreciative and there is much investment in taking good care of oneself as well. Handicapped people have all the facilities they need to move with independence too. It is a gift to be able to feel this.
Here success is not an aim to achieve, it is a fact. Creativity is stimulated and appreciated and the rate of achievement in music composition, singing and dancing is higher per capita here than anywhere else in the world. One can feel this. It is embedded in the streets, in the buildings, in the water, in the air. It is a gift to be able to feel this.


Playing the piano... with glasses and water!


Here people earn good salaries, pay high taxes but receive the reward of their contribution through free education, efficient health care and an overall organized system. It is a gift to be able to feel this.
Going down the Queen’s Lane, in the centre of Stockholm, one feels the royalty of the town in each person’s heart. It is a feeling of sovereignty that transcends the royal family. Everyone is royal, yet not arrogant. It is a gift to be able to feel this.




There is an inbuilt open mindedness that is felt in the way people relate to their bodies, to each other and within their family bonds as well. Children are educated in a non-violent concept, and it works – they are very well behaved!
Over half of the population are atheists, the other half are Lutherans and apparently this is a recipe for peace. No one is fighting over the best religion, the right God, they simply respect each other’s God within. It is a gift to be able to feel this.
Ah, and the economic crisis is an alien movie here! Sweden didn’t adhere to the Euro. So, a break from the crisis drama for a few days… :)
Don’t get me wrong. I am not comparing this society with any other, I am just pointing out what for me are its Aces – the victories that allow the whole system to function smoothly. All countries have their own treasures. All cultures are special. All people are gifted. Everywhere.
What I love about travelling is the pleasure of diving into each environment’s preciousness. It is part of my personal growth and it adds so much more to my life experience.
Once again I point out how grateful I feel.
Back to the day.
In the afternoon I had a book presentation in a dainty garden at a friend’s house. When we arrived he had prepared chocolate cake and coffee for all of us. Thank you!
It was also a special moment of sharing love amongst the whole group who turned up. I love sharing points of view with others. Listening to their words and meanings and bringing it all together as one, that is more than sum of its parts.
It was also a friend of mine’s birthday so they prepared a surprise for her! A nice cake, a cute card and… a butterfly! Beautiful moments.

She was so touched that she decided to buy dinner for all of us! That was another celebration. And to top it up, a friend who is a musician, composer and singer came along as well and filled the house with music and laughter.
When I finally went to bed, all I could feel was gratitude, love, complete serenity.
Yes, there are people suffering around the world.
But do you know that each time we gather together and share love, joy, laughter, we create a wave of balance that travels around the world, no matter where you are?
Being of service is also this – I would say it IS THIS: being Present, being Whole, being Fulfilled, being Love, being Celebration. It creates a template for everyone and anyone to access and be inspired by.
And so it is :)

terça-feira, 19 de junho de 2012

O Tesouro debaixo da Ponte


O Tesouro debaixo da Ponte


Bem, hoje o sol decidiu mostrar outra vez os seus encantos no momento apropriado, após um dia de chuva intensa e refrescante.
Coisa gira é que adoro todo o tipo de tempo. As flutuações de humor do mundo meteorológico encantam-me. Cada uma tem a sua intensa beleza, o seu tema… É como as pessoas!
Respiro o sol, respiro a chuva, respiro as nuvens e a neve, respiro o nevoeiro e a neblina… respiro o vento e a tempestade… os relâmpagos e os trovões… é tudo tão completo em si mesmo. Na verdade passa-se o mesmo dentro de nós. Temos estações do ano, diferentes climas e temperaturas, e quando nos permitimos aceitar que tudo isso faz parte do bailado de ser autêntico, começamos enfim a relaxar. Depois trata-se apenas de ficar no centro da nossa meteorologia, sabendo que ainda que exista num dado momento uma ou outra, não é quem somos. O que somos é neutro, total, completo, independentemente da temperatura envolvente. Se chove não te transformas na chuva, sentes-la… e, ou praguejas contra ela, ou desfrutas da sua presença, assim com desfrutas do sol ou do vento, aceitando que são apenas isso – sol ou vento.
Tudo isto para dizer que de manhã chovia intensamente. E cada um chegou ao workshop de que falei nos dias anteriores em diferentes estados de aceitação da chuva. Uns a resmungar, outros a aceitar que simplesmente é o que é, e outros ainda a apreciá-la. E a opinião de cada um sobre a chuva tão somente refletia o estado interno de cada um. Foi bonito de observar.
Mais uma vez havia pensado para mim mesma “hoje também dava jeito que à tarde quando terminarmos não estivesse a chover, para poder passear à vontade por estes belos lugares”.
E assim foi! :)
Por aqui há muitos lagos. A minha amiga Olga indicou-nos um particularmente bonito. Disse “vão pela beira do lago, sempre sempre até chegar à ponte e aí perguntam onde é a estação para apanhar o metro outra vez”.

Começámos o nosso trajeto. E fomos caminhando e caminhando à beira do plácido lago, que aqui se chama de praia. Barcos, pessoas, cães, casinhas e jardins que quase pareciam retirados de um conto de fadas em que os duendes tinham posto especial cuidado na delicadeza de toda aquela envolvência.
Nunca vi tanta gente a praticar exercício. Uns a caminhar, outros de bicicleta, outros a correr, de todas as idades, todos com um ar tão saudável! Realmente respira-se calma por estas paragens. O stress parece não ter encontrado o comboio para esta cidade, e não há lugar que a vista alcance que não tenha frondosas árvores, relvas macias e flores sorridentes. Este povo é uma prova viva de que um estilo de vida saudável compensa, pois a média de vida é de cerca de 100 anos e muitos trabalham de bom grado até bem depois dos 70 anos.

E andámos. E andámos. E nunca mais chegávamos à dita ponte. Bendita Olga! Nós dissemos que queríamos caminhar… “um pouco”, mas 40 minutos depois ainda a ponte estava lá ao fundo! Chegados à ponte! Perguntámos onde era o metro. Ainda mais 15 ou 20 minutos de caminhada – disseram-nos! Uf! E afinal havia ainda outra ponte.
Enfim chegadas à segunda ponte, mesmo debaixo da tão esperada meta, um Bar/ Restaurante onde serviam comida de fusão. Um misto de sabores suecos e do resto do mundo, combinados por hábeis mãos com refinado bom gosto! Mmmmmmmm… valeu a pena a caminhada! Que tesouro! Quem diria que este seria o nosso presente? E não era só a comida, como toda a envolvência. A decoração moderna e acolhedora. O staff atencioso, todos igualmente simpático e eficientes. Olha, sabes o que digo? Obrigada :)


Ooops... as sobremesas já foram! hehehe



E afinal de contas foi um presente constante porque a paisagem pela qual passeámos olhos e corpo era sem dúvida de uma beleza singela. Um abraço de natureza com todos os elementos combinados de forma perfeita, tal como os pratos deliciosos que degustámos com o palato e com a vista… bem, na verdade com todo o nosso sentir.
Há caminhadas que valem a pena! Valem todas a pena, diria. Cada uma é uma experiência única em si mesma. As caminhadas e os caminhos são afinal de contas o que faz de nós quem descobrimos ser, um passo de cada vez.

domingo, 17 de junho de 2012

Hard to Find...


Just like me! hehehe... I suppose I'm not that hard to find... but I'm easy to love! Felt like joking a bit today :)

Magic in Action


Magic in Action

One could call it magic. One could call it miracles. One could call it co-incidence. Or one could not even think anything of it. I choose to call it magic.
What do I choose to call magic?
Well, for instance today. I am at Stockholm teaching a workshop. And I am loving the shooooort nights (about two hours and not really dark at all!). It feels so safe and open to have so much day time. But back to the magic. This morning it was cloudy when we left home and I said “if it rains today, it can rain while we’re at the workshop, but when we leave it just has to be dry again because we have no umbrella, and on top of it today I want to go the town center to see its beauty!”.
It did rain. In fact, it rained all the time while we were at the workshop. Then the workshop ended. And about half an hour later the clouds parted and the sun was shining! This gave us the opportunity to visit town and have fun. Magic in action!
Then we needed to know the way to the underground. So I stopped and asked a couple which way to go. The man opened his coat and got a map, showed us on the map and gave us the map! Now what are the probabilities of asking someone on the street for a direction and this person actually having a map to give you? :)
Life is Wonderful… when you’re open to receive its gifts.
Actually yesterday, when we had our lunch break, all of sudden there was food on the table for everyone! Totally unexpected and with so much love. Today we took the lunch to share.
I’ll keep you updated!!

 Me and flowers!!!!

 See the sun? :)



Sonhos e Co-incidências!


Sonhos e Co-incidências!


Acabo de realizar um sonho que iniciou o seu sopro de existência há dois anos, e nisto compreendo mais uma vez que todo o sonho que nasce da paixão de ser, mais tarde ou mais cedo encontra o seu caminho para a realidade física.
É simples. Há dois anos atrás conheci uma amiga Colombiana que vive na Suécia. Temos muito em comum e adorámo-nos desde o primeiro instante. Então decidimos desenvolver algum do nosso trabalho juntas. Tentámos uma e outra vez, mas não era o momento certo. Entretanto ambas largámos o processo de tentar e simplesmente mantivemos o sonho.
Nesse espaço de tempo eu deixei de desenvolver o trabalho que nos tínhamos proposto fazer juntas para iniciar uma nova senda.
Recentemente a minha amiga decidiu perguntar-me se eu estaria disponível para finalmente pormos o trabalho que queríamos em marcha. Eu parei. Senti. E disse que SIM.
Nisto tudo se desenrolou num ápice e em pouco mais de um mês tinha a minha viagem para a Suécia comprada e paga por ela, o grupo com o qual íamos trabalhar reunido, o quarto onde ía ficar encontrado, tudo de forma absolutamente simples.
E eis que o nosso sonho se está a realizar. Que Alegria! Só porque ambas nunca desistimos do sonho, apenas o deixámos ocorrer no seu próprio tempo. Só porque ambas dissemos que SIM. Só porque as coisas podem ser realmente simples.
Gratidão.
E agora olha só para estas co-incidências – curiosas, no mínimo :)
Ensinei o primeiro curso SES (Sexual Energies School) em Espanha, Alicante (Escola das Energias Sexuais do Shaumbra Institute – Crimson Cricle), com uma senhora Sueca, que faz anos a 28/9 (eu faço a 29/9) e foi um trabalho bastante desafiante a todos os níveis. A senhora não falava Espanhol, ainda que vivesse em Espanha, e os inscritos eram espanhóis, à exceção de uma senhora alemã, que também falava inglês e de uma italiana que havia vivido no México e por isso falava espanhol. Logo, passei todo o tempo a traduzir de espanhol para inglês o que diziam os alunos e de inglês para espanhol o que dizia a minha co-teacher… enfim, interessante. Já para não falar do facto de que a minha co-teacher entrou no seu próprio processo pessoal a meio do curso, o que fez com que o resto do tempo estivesse eu a cargo do trabalho com o grupo, incluindo-a a ela também!
Agora estou a ensinar o primeiro Curso SES na Suécia com uma psicóloga Colombiana (ou seja, que fala espanhol) a um grupo maioritariamente de falantes de espanhol mas não espanhois (uma colombiana, uma venezuelana, um chileno e uma peruana!) e há um alemão de descendência italiana que fala inglês! Só que desta vez ambas as co-teachers falamos fluentemente quer espanhol, quer inglês, por isso traduzimos aleatoriamente uma e outra língua sem esforço. E o mais giro ainda é que a minha co-teacher faz anos a 27/9 (apenas um dia de diferença da outra senhora Sueca). E ainda, todas as mulheres deste grupo são do signo Gémeos, e ambos os homens do signo Escorpião, ambos são canhotos, e todas as mulheres destras… e eu sou canhota e a Olga (a co-facilitadora) destra! Coisas engraçadas!



Ah pois... e havia um participante extra!!! ;) Vê lá se descobres onde está...


quarta-feira, 13 de junho de 2012

Perfect Manifestation


Perfect Manifestation

Hoje precisava de sossego, de silêncio. Fui convidada para a Festa de Santo António. Respeitei o meu sentir, recusando esse convite para aceitar o meu próprio convite de quietude.
E sabes o que recebi por me respeitar? Foram todos à festa e eu fiquei com todo o sossego de que necessitava! Lindo, não é? Todos tiveram exatamente o que queriam!
É isto que me deixa maravilhada, sempre.
Obrigada!

Today I needed quiet, silence. I was invited to the Santo António celebrations in the streets, with sardines, music and fun. Nevertheless I respected my feeling, rejecting the invitation to accept my own invitation for stillness.
And do you know what I received for respecting myself? Everyone went to the party and I had all of the calm I needed! Beautiful, isn’t it? We all got exactly what we wanted!
This is what amazes me, all the time.
Thank you!


Agora Escolhe Tu!


Agora Escolhe Tu! :)


Nestes últimos dias não tenho colocado nada de novo neste blogue mágico, mas não tem sido por falta de magia, muito pelo contrário. A magia é tanta que me faltam as palavras para expressá-la!
Sabes o que é sentires que és tão amado/a que o teu coração parece querer rebentar fora do tórax? Não é ser amado/a por uma ou duas pessoas em particular, é por todos que se cruzam no teu caminho de uma forma ou de outra, é pelas experiências que vives, é pela tua Alma, é pelos anjos que vivem na Terra e fora dela, é pela própria Terra, é pela vida em si mesma! Sentires que tudo te ama, da mesma forma que amas tudo? Não sei como explicar, mas ainda que não haja palavras que descrevam isto, é literalmente assim!
Podia descrever aqui um monte de experiências simples e mágicas que tive nestes dias mas vou partilhar a forma como me estimularam e impeliram a abraçar mais de mim mesma.
A cada momento posso sempre escolher olhar para as joias ou para o lugar onde não estão. Escolho olhar para ambos, como uma e a mesma coisa, pois tudo faz parte dos ciclos infinitos de expansão e contração em todo o Universo.
E assim, a cada momento posso escolher duvidar ou continuar a confiar plenamente na voz do meu coração que alimenta a minha mente e o meu corpo, a partir da sábia essência de quem realmente sou. E posso escolher acreditar que isso que sou é grande demais para abarcar e colocar no meu mundo físico, ou aceitar que é o que sou e manifestá-lo tal como é. Posso achar que a casa em que habito é grande demais para mim, ou aceitar que é do tamanho certo para a minha grandeza. Posso pensar que não tenho o suficiente, ou ver que tenho mais do que o necessário, sempre. Posso recusar as oportunidades que surgem por me apanharem de surpresa, ou posso dizer simplesmente que SIM e receber tudo com gratidão. Posso sentir-me culpada por não conseguir fazer tudo sozinha, ou pedir ajuda e recebê-la com a mesma abertura com que a dou. Posso fazer, fazer, fazer ou ser, ser, ser e descansar nesse estado de ser, sabendo que tudo o que faço com suavidade e doçura tem a mesma força que teria o esforço e a luta. Posso olhar à minha volta e não ver nada mais que banalidades, ou ver que a magia está presente apenas para quem a aceita na sua vida.
E tu, o que é que escolhes?



TO BE


TO BE


If I were to find the right words to express how blessed I am for being able to share this world with you, to share this life with you, to share this now moment with you, I would surely do so in the silence of my breath, so that you could feel just how special you are for Being simply who you Are.

If I were to explain how my heart flows with love at the mere thought of all there is here for me now, at the mere realization that it is all here, for all of us… if we allow ourselves to see it, to receive it, to share it, to be it, I would do so with a warm, speechless hug, just because we can.

If I were to tell you there is no better time than this time right now, I would ask you to watch, as I embrace it for the sheer passion of existing in full awareness of my grandness and I would invite you to behold and embrace your grandness totally!

All of this just because, there is no better place to be than where you are at any given moment of full Presence, there is no better way to be than who you truly Are, there is no better thing to do than BE this that you ARE, right HERE, right NOW.

I LOVE YOU! :)


sábado, 9 de junho de 2012

O Reflexo / The Reflection

O Reflexo / The Reflection


Esta manhã, ainda de olhos fechados, respirando docemente no terno regaço de mim, escolhi "hoje abro-me inteiramente para receber todas as dádivas que este dia me reserva, e transbordo de Amor"...

This morning, still with my eyes shut, breathing sweetly in the my Self's tender arms, I chose "today I open up completely to receive all of the gifts this day has for me, and I overflow my Love"...

Nisto, o meu filhote, que estava mesmo ao meu lado, põe-me as mãos no rosto e diz "mãe, tu és a mais linda do mundo inteiro e eu gosto muito muito muito muito muito muito muito de ti!"
Gratidão :)
E assim começa o meu dia!
Amor para ti também!

At this very moment, my youngest son, who was right beside me, put his hands on my face and said "mum, you are the most beautiful mum in the whole world and I love you very very very very very very much!"
Gratitude :)
And thus begins my day!
Love to you too!


sexta-feira, 8 de junho de 2012

"O jogo do não compreendo"


“O jogo do não compreendo”


Vivemos rodeados de pessoas. Pessoas de todas as origens, credos, gostos, “tipos”. Pessoas vivendo de inúmeras formas.
Algumas dessas pessoas são-nos mais próximas que outras, e por isso tendemos a enlear-nos mais com os dramas de uns do que com os dramas de outros. Mas a verdade é que não passam de dramas. Quer sejam nossos, quer sejam de alguém próximo, quer sejam de alguém que nem sequer conhecemos e que vive do outro lado do mundo, dramas são dramas.
A questão é: até que ponto estamos preparados para larga-los de vez? É que na maioria dos casos, quando digo que há outra forma de viver a vida, a resposta é “não compreendo o que estás para aí a dizer” e a relutância em largar a zona de conforto do conhecido drama, para abraçar algo simples e suave é enorme! Chiça! Enorme mesmo!
Mas não importa! E sabes porque é que não importa? Cada um vive na medida da caixa em que se permite estar e faz parte do seu processo evolutivo, porque que seria de ti, de mim, e das pessoas que conheces se não tivéssemos tido as experiências todas (mesmo as mais difíceis) que temos tido? Serias decerto alguém diferente. Agora a escolha é entre ficar agarrado ao que já não serve ou largar tudo isso e descobrir o que é que te serve! E de início é mais fácil saber-se, pelo menos, o que não se quer… depois resta escolher o que se quer! E acima de tudo aceitar que cada um tem o direito de viver exatamente como lhe parece apropriado, mesmo que seja uma vida dramática! E quando alguém se queixa mas não ouve possíveis soluções, é porque na verdade não lhe parece apropriado viver de outra forma que não aquela em que vive. E está bem assim.
A isto chama-se Compaixão. Aceitar que tudo está como está em perfeita ordem, no caos da desordem! … aparente. Compaixão é o ponto neutro totalmente ausente de julgamento cujo Amor é tão incondicional que nem sequer vê que haja algo de errado com a escolha (consciente ou não) de vida de cada um.
E viva o livre arbítrio!... ainda que geralmente inconsciente :)
E porquê isto num blogue sobre a magia da vida?
Ora porque há quem não esteja para aí virado (para a magia da vida) e não queria deixar de incluir esses meus companheiros humanos neste blogue!



Venus


Venus


My first choice on the morning of the 6/6 was “I choose to live my day in total simplicity, I surrender to the flow of love and joy from within me and all around me, I give myself to life and I allow myself to receive its grandness in all forms, in total absence of fear or drama. Simple passion of Isness”.
Given my choice, and of course in the aftermath of the Venus transit and on the day of LOVE (6/6), it could only be purely magic!
I had the privilege of facilitating a 3 hour workshop for future Personal Trainers, about the essential skill of being present in the body, and totally aware of its senses and rhythms. It was a very beautiful experience. As a result I was offered lunch! Thank you!
Then I had the privilege of teaching my usual English class on a Wednesday afternoon, which is always a great sharing experience, much fun and a true pleasure for me and for the students. When I arrived in the classroom, there was a nice flower arrangement (never was before), because there had been a conference in that room before. So, another cute gift :)
After that I had the privilege of meeting a very dear friend I hadn’t seen for about 4 years! Oh what a joy! We had so much to share, we were so ecstatic about this reunion, there was so much love, so much attunement! We have both been doing our own self development path, and we always tend to meet at key moments in our journey of life. This was indeed a key moment for both of us! The reason we met again was my LOVE book! We had a delicious meal (I tried something new: raspberry and prawns risotto! By far the best risotto I’ve ever experienced :) ).
And then I had the privilege of receiving a beautiful bunch of roses!... And when we arrived at the place where I was going to present my book, Gina (the owner) had made it so cozy, so romantic, so brilliant… strawberries and oat cookies… ginger tea… candles… colours… cushions…  and so many open hearted people! They were all Fernanda’s (my friend I hadn’t seen for ages) friends and they were all so curious about my Love perspective, and also so willing to share their own. It was the most successful book presentation up to now… maybe because it was on THE LOVE DAY, but above all because it was prepared with ease and simplicity, with complete openness and complete… LOVE!
Fernanda just did it out of the pure pleasure of inviting her friends to read a book she had loved so much, and of course of helping me promote it and Gina just did it because her heart told her so! And we could all witness how grand things are when we all let go of worry and limitations and just play with each opportunity, making the most of each experience, with no other interest but to LIVE… and LOVE!

Foto: Autora: Tania Castilho (T.C.Aeelah)

terça-feira, 5 de junho de 2012

It is all HERE


It is all HERE


The magic moon has its magic effects. Thus magic things happen.
Well, we all have our own concept of magic. For me magic resides in the simple gifts life gives us each moment, being aware of the grandness that resides in that which is right here, right now.
So, last Sunday I was supposed to have presented my book to many people. Instead, I presented it to a few, most of which bought it, but the most important part was that I finally met a dynamic person who is willing to participate in a project I have been trying to implement with the right person/people for about two years, someone who is willing to play with me in this, just for the experience, for the fun of it! The magic today was that we planned the project and my kids and I were offered dinner and a beautiful Sound session, which made us all feel very loved and nurtured, as we also shared our love and joy.
I repeat and repeat, it is a sacred blessing that we can share our lives with other humans, because they reflect us in so many ways, that if we are receptive to discovering more of who we are through our experiences with others, we can see a clearer and clearer reflexion, in the eternal mirror of all that IS. And yes, it is true, that we attract and are attracted by that which best shows us what we accept (or not) about ourselves. This makes me very happy, because in fact I am attracting truly beautiful humans into my life, each day. Thank you all!


segunda-feira, 4 de junho de 2012

A LUA... hoje


A LUA... hoje


O evento mais mágico do dia de hoje é, sem dúvida, a LUA.
Está pendurada lá fora, flutuando levemente com o céu como pano de fundo para o seu brilho radiante, de um magnetismo ímpar. Bela e plena, a lua, hoje.
Não sei se são os seus tons de dourado, a sua grandeza… a lua hoje parece estar maior que uma simples lua cheia. Não sei se serão as estrelas que realçam o seu esplendor. Ou se será dos tons do céu, um misto de negro e azul profundamente enigmático. Será talvez do silêncio da noite. Parece que a ouço sussurrar “vem, dança no meu regaço, baila na minha luz, preenche-te de mim, banha-te no meu útero, renascendo dos ecos do tempo. Vem doce donzela, o feminino renascido em ti clama pela minha magia. Vem, deixa-me abraçar-te e acariciar-te com o meu suave cintilar”.
E esta fada, a Lua, solta a sua fragrância terna, beijando, deleitando-se, com o olhar de ti, de mim…
Já foste lá fora espreitar a LUA?
É essa a “foto” deste post de hoje – a cores e ao vivo onde quer que te encontres.
Beijos de LUA para ti.

domingo, 3 de junho de 2012

Planeta Mágico


Planeta mágico


Continuo em estado de profunda gratidão. Gente linda. Conheço gente linda todos os dias.
E quando pela manhã dou o meu passeio, fico ali pasmada a maravilhar-me com a abundância que me rodeia! Ervas, diriam os meus vizinhos, apenas ervas. Para mim são jardins imensos de cor e brilho, que espelham abundância ímpar. Ora vê lá…






E depois de um piquenique à beira rio, nada melhor que olhar para o céu e ver a lua envolta em traços de rosa. É mágico este planeta, sem dúvida!







The adventure of Life


The adventure of Life


Ah the adventure of Life! Yesterday I didn’t post my magic of the day, but it was magic, yes it was.
I had the privilege of my children’s company at the book fair in Coimbra. Wow, what a beautiful place they chose for this fair. Just going there was worth the trip. I did, of course, meet many interesting people, the kids had loads of fun and then, at about 18h30 we decided to go to the beach. It was the most improbable weather for a beach outing. Dark clouds in the sky, slight drizzles of rain now and then, about 20 degrees centrigate, but we felt like it. My daughter hadn’t been to the beach yet this year, my son is crazy about the beach and I, well I have an ongoing love affair with the sea. It’s not like I practice surf or bodyboard or even sail or anything like that, I’m just in love with the sea and the sea loves me back eternally :)
We went to a beach we had never been to: “Osso da Baleia”, near Figueira da Foz, worth visiting, I recommend it. Well, we got there and guess what? We had the entire beach to ourselves. Km and Km of sand and sea just for us! Ah, what freedom, what a joy! We were three children just shouting with glee, playing with the waves and with each other, so thankful we had come, against all odds, under the most improbable weather, we had come anyway and we received such a gift. Once again, I am at a loss for words :)
Then we went out for dinner, the three of us. It had been a long time since we had gone out for dinner just for the fun of it.
Here are some photos of these beautiful places.








sexta-feira, 1 de junho de 2012

!!!ALEGRIA!!!


!!!Alegria!!!


Dia Mundial da Criança :) Adoro. Adoro ver os rostos iluminados de alegria dos miúdos e mais que isso, adoro ver como os graúdos se permitem realmente soltar-se e pelo menos por hoje, aceitar o convite para brincar, simplesmente.
Há anos atrás, quando ainda não me permitia saber quem sou, tinha vergonha de sair fora do formato e rir à gargalhada quando me apetecia, sentia-me constrangida por expressar Alegria, parecia que tinha que ficar um pouco mais comedida só para não transtornar a seriedade dos outros.
Achava que se me comportasse de forma “normal”, pelo menos seria aceite por mais ou menos todos, e isso na altura era muito importante para mim. Percebi entretanto que a questão não era se eles me aceitavam ou não, mas sim, o quanto me aceitava a mim mesma. E na verdade, não me aceitava como realmente sentia ser. Por isso fingia ser algo que não era e vivia numa correria louca, sempre atarefada, sem tempo para parar e ouvir-me gritar por mim! É que se parasse, tinha que ouvir-me e se me ouvisse tinha que perceber-me, e se me percebesse tinha que mudar a forma como vivia, porque não vivia, sobrevivia!
E mudar a forma como vivia / sobrevivia, parecia dar demasiado trabalho! Hehe! Depois vi o quanto trabalho dava manter uma estrutura fictícia de quem não era, em vez de soltar-me e ser quem sou! Muito engraçado!
Sim, há algumas pessoas que por vezes se sentem incomodadas com a minha boa disposição. E eu respeito-as profundamente. Mas também me respeito a mim, e não posso ser quem não sou, por isso permito-me ser essa fonte transbordante de Alegria quando me apetece. Ás vezes também me apetece silêncio total. E permito-me. E ás vezes também me apetece tristeza. E permito-me. E ás vezes também me apetece ficar quieta, completamente quieta. E permito-me. E assim nunca me incomodo com a não aceitação de mim por parte dos outros, apenas nutro a minha própria aceitação de mim para comigo. E sabes que magia acontece? É que sou mais aceite que nunca, mesmo quando digo coisas que antes me pareceriam demasiado isto ou aquilo, ainda me consigo espantar com a facilidade com que o que expresso é aceite. E percebo que é aceite porque vem da minha inteireza, da minha total aceitação de mim, e da minha total disponibilidade para partilhar o meu sentir, sem disfarçar que sou o que não sou e que penso o que não acredito!
E então hoje uma senhora perguntava-me o que é que eu fazia para ter os cabelos assim bonitos. E respondi-lhe com a maior naturalidade “amo-me e cuido-me, e quanto mais me amo mais o meu cabelo fica feliz, é simples!” Ela olhou para mim e riu-se imenso, e disse “Esta é a maior lição que aprendi hoje! Vou começar a amar-me também!” Foi um momento tão simples, alegre e pleno de Amor! :)
E assim é que hoje partilho a PURA ALEGRIA de SER tudo o que SOU, tal como as crianças :) Obrigada miúdos por nos recordarem todos os dias desta grande verdade! Amo-vos!