sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Obrigada Arco-Íris!


Obrigada Arco-Iris!


Hoje, felizmente não houve autocarros. Sim, felizmente. Isto fez com que tivesse que levar a minha filha à escola de carro. E claro, o seu mano teve que ir também pois não podia ficar em casa sozinho. No caminho de volta diz ele “nunca me lembro de ter visto um arco-íris. Queria tanto ver um!” Respondi-lhe que já havia visto alguns arco-íris mas que não se lembrava.
Chegámos a casa e o sol rompia timidamente por entre nuvens cinzentas, adivinhando chuva. Mal entrámos em casa assim foi, começou a chover levemente. Mas o sol teimava em mostrar o seu sorriso e quando olhei pela janela lá estava o arco-íris! Daqueles que traçam um arco completo de lés a lés, com cores fortes e vivazes! Chamei o Samuel para vir rápido lá fora ver o arco-íris! A alegria dele saltava-lhe pelos olhos e iluminava-lhe o rosto enquanto saltava e gritava “O arco-íris! O arco-íris!” e eis que já outro se formava, mesmo acima do primeiro, mais ténue mas igualmente amplo e completo! 2 arco-íris sobrepostos! E o Samuel dizia “Obrigada arco-íris! Obrigada! Vieste!”
E aquele momento tão simples, preencheu-nos de uma Alegria transbordante e de uma gratidão imensa pelas dádivas da Natureza! Mal entrámos em casa para fugir à chuva  e corremos a espreitar pela janela, o arco-íris já tinha desaparecido, bem como o sol.
Poderás dizer que foi um mero acaso. Se foi ou não pouco importa. O que importa mesmo é que agarrámos o momento de alma e coração e nos entregámos a ele sem hesitar. O que importa é que olhámos lá para fora no momento certo para podermos desfrutar de tão singela dádiva. O que importa é que aconteceu e tornou o nosso dia mais especial ainda.
Por isso fica atento(a) e quando a vida te trouxer o que lhe tens pedido, abre os braços e recebe-a com todo o teu SER pois esse será sem dúvida o teu momento de plenitude. Especial e único (a) como tu!

Abraços Coloridos de Luz… como o Arco-Íris! J

T. C. Aeelah

PS - Não deu para tirar uma foto... não tinha a máquina na mão!

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

2012


2012. O ano da grande transformação.
Já tanta coisa se passou ao longo deste ano na minha vida pessoal que na verdade parece-me que se passaram alguns anos e não apenas uns meses. E todas essas coisas tiveram efeitos profundamente transformadores em mim. Não poderia aqui descrever quão belos momentos tenho vivido, quão especiais descobertas tenho feito e quão especiais pessoas me têm abençoado com a sua presença na minha vida.
Se tiver que espremer a essência de 2012, tem sido o ano da autenticidade, da entrega, da integração, da expansão e da luta constante entre a dúvida e a confiança.
Ainda não chegou ao fim. Eu sei. Mas vamos bem perto e já todos falam em 2013 com a máxima naturalidade, finalmente esquecidos dos augúrios apocalípticos para este ano.
Tem sido apocalítico, de facto. O ano da morte e renascimento. O desafio de largar as velhas estruturas de uma vez por todas e saltar no vazio do novo de braços abertos, sem barreiras. E tem sido assim na vida coletiva e individual, sem exceção.
Porque falo nisto agora?
Em primeiro lugar para justificar a minha ausência destes escritos nas últimas semanas. Nem sei bem explicar mas tenho estado a adaptar-me às minhas novas asas, por assim dizer. É como se tivesse havido um terramoto interno (num sentido muito positivo) e agora me adaptasse à nova forma como ficou o meu corpo, a minha mente, o meu ser. E essa adaptação requer-me na totalidade. Requer-me Presente, focada, procurando ficar no silêncio interno e permitindo que tudo em mim se adapte e acomode a Ser. É ter largado as minhas identidades do passado e não ter que ser nada para além de quem realmente Sou. É descobrir esse Ser que Sou mais e mais profundamente, na serenidade do sentir.
E em segundo lugar para dizer-te que sei como te sentes nestes tempos confusos. Que sei que às vezes fica muito difícil acreditar em ti e nas tuas capacidades, acreditar que as coisas vão melhorar ao teu redor e aceitar que tudo tem altos e baixos. Que às vezes fica difícil raciocinar e funcionar e há momentos em que nem sabes bem porquê. Que essa história da magia da vida muitas vezes parece uma utopia tola, com tanta confusão à tua volta.
Quero dizer-te que respires fundo e sintas em ti a verdade que se expressa no silêncio - que não requer explicações e justificações. Essa verdade em ti mostrar-te-à uma e outra vez como lidar com as situações desafiantes com que te deparas, mas não o fará pelos meios normais, analíticos a que te habituaste. Fá-lo-à subtilmente, gentilmente, suavemente por isso quero dizer-te para tirares um tempinho para ti, para te amares e agradeceres verdadeiramente ao teu corpo pela vida que te proporciona, mesmo que não seja ainda a que tu queres. A magia está onde não a esperas e das formas mais simples… e somos nós que a trazemos uns aos outros. Abre os olhos e mantém-te atento/a para que a possas receber em ti!
Abraço com Amor

T. C. Aeelah

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Lix(o)Arte



Amigos! Já vamos a 9/10 e eu sem partilhar ainda nada no blogue este mês... mas a minha amiga Artemis enviou-me esta foto singular com texto a acompanhar. Aqui fica:

A VIDA é como as Amoras.... É.... ou não é!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
"Tudo isto" para além de "tudo isto",,,,,,,,aí vai a foto do "DIA" ...de (re)encontros de "coisas e loi(z)as"!

Como nota de rodapé, a dita foto teria esta legenda: Entranhas expostas de "vidas aforradas", em  Lix(o)Arte.