sábado, 30 de março de 2013

Páscoa Feliz / Happy Easter

Páscoa Feliz / Happy Easter


O que desejo a todos para esta Páscoa: que sejam capazes de largar a necessidade de controlar, de ter tudo sob controlo, de ter tudo definido, certo e sabido. E que tal entregares-te ao doce sussurro da tua Essência para que ela possa mostrar-te uma nova vida, muito mais ampla do que o controlo pode equacionar, muito mais substancial e plena do que poderias sequer imaginar? Ressurreição do Ser em cada um que o aceite são os meus votos, amados amigos :) ♥... e porque não também uns chocolates pelo meio...!!! ;)

What I wish to you all for this Easter: that you may be capable of releasing the need to control, to be in control, to have everything under control, well defined, certain and known. What if you surrender to your Essence's sweet whisper so that it may show you a new life, a much vaster one than control can equate, a more substantial and fulfilling life than you could ever imagine? Resurrection of Isness in each one who accepts this gift, is my Easter wish to you, beloved friends :) ♥ and also a few chocolates in between...!!! ;)



PS - E a todos aqueles que experimentaram largar a necessidade de ter tudo sob controlo, celebremos em grande festa a loucura saudável de confiar plenamente na VIDA!!!

PS - And to all of those who have taken the chance of letting go of the need to have everything under control, let's celebrate and have a huge party on behalf of the healthy craziness of truting LIFE completely!!!

domingo, 24 de março de 2013

ISNESS


ISNESS

See. Behold.
There is a tangible glow on the wake of your passage.
Can you feel it? Do you know it?
There is a scented aroma in each sweet thought you share, a delicate touch you offer in each breath.
Yes. I can feel it.
See. Behold.
Each inhale fills you with Life. Each exhale enriches the world.
So be thankful for this simple magic you weave, with effortless grace.
And in gratitude, existence shall respond, thrice as bountiful as your genuine Isness – for the absolute Joy of BEing is. Just is.
Complete unto itself. 


ICELAND

sábado, 16 de março de 2013

Estou de volta...

Por onde tenho andado eu? Sim, tens razão! Há quase um mês que não passo por este recanto florido e mágico que é o meu blogue InPassion.
Tenho andado embrenhada na Vida, no enraizamento de mim mesma neste corpo que amo. Tenho andado numa espécie da antecâmara onde tudo esteve a evoluir, mas parecia estar parado. Foi como estar no casulo a transformar-me em borboleta. E agora posso voar de novo. Sinto as minhas asas abertas e prontas a tomar a brisa de novas descobertas de ser simples.
Pois. É isso. Tenho andado a largar todo o esforço e a entregar-me totalmente à simplicidade da Essência, reaprendendo-me de dentro para fora. Tenho estado num vazio muito muito vasto, onde o silêncio impera. Algo completamente novo para mim. Este silêncio, este espaço muito vasto tem-se feito sentir mais e mais ao longos dos últimos 10 meses. E levou o tempo que foi preciso para me aclimatizar a este novo estado de Ser. Agora as flores estão a brotar neste meu novo jardim. E é francamente espantoso, porque é tudo, mesmo tudo novo. A forma como me sinto, como te sinto, como sinto o mundo, como sinto tudo! E a mente tão calada! Calada mesmo! Isso também me levou algum tempo a acostumar... Este processo de entrega da mente, finalmente ao meu Ser, para que possa funcionar em sintonia e usar a sabedoria em conjunto com o conhecimento, de forma também muito nova.
Enfim olha, cá estou de volta, para partilhar a magia da Vida. Experiências mágicas não me têm faltado. Algumas são demasiado íntimas e não me apetece partilhá-las aqui, nem saberia como, porque as palavras são limitadas para descrever certas coisas. Outras partilharei contigo, a seu tempo.
Um grande abraço com todo o meu Amor, caro leitor/a <3 :)

T. C. Aeelah

A Vida em conversa...


A Vida em conversa…


Há dias a minha filha, que tem 12 anos, fez-me uma pergunta.
Perguntou com muita seriedade e franco interesse, olhando-me nos olhos: “mãe, como é que classificas a vida?”
Olhei para ela, sorri, e sem hesitar respondi: “a Vida é uma experiência maravilhosa”.
Ela continuou a olhar para mim, como que não inteiramente satisfeita com a resposta e prosseguiu a sua indagação: “então mas não achas que a vida é muito difícil?”
“Não. A Vida tem os seus desafios, mas tudo depende de como escolhemos vivê-los. É tudo uma questão de escolhas, ou falta delas”.
“Eu vejo algumas pessoas a sofrerem tanto, com desafios tão difíceis, e dramas tão grandes nas suas vidas. A mim parece-me difícil. Eu quero continuar a ter sempre esta idade e a viver a vida que tenho, os amigos que adoro. Adoro a minha vida mas não quero ter que ficar adulta e ter que enfrentar as dificuldades que vejo os adultos a viver. Até tu tens por vezes dificuldades que eu não saberia resolver”.
Sorri de novo. “Sim, ser adulto tem as suas dificuldades, mas se começares a fazer escolhas conscientes sobre o que queres na tua vida já, não chegarás a viver dessa forma dramática que vês ao teu redor. Basta escolheres com o teu coração, com a tua consciência e a vida pode ser maravilhosa, mesmo com os desafios. Como sabes, apesar de ter desafios, desde que mudei a minha forma de estar que não vivo dramas.”
“E como é que chegaste a essa conclusão? Como é que aprendeste isso?”
“Eu aprendi da forma difícil. Dando cabeçadas atrás de cabeçadas, com muita dor pelo meio até que percebi que podia ser de outra forma, que a vida podia ser diferente. E então comecei a resolver as minhas emoções e a mudar as minhas crenças e hábitos… e a escolher o que realmente quero. Deixei de andar cá só por andar e assumi-me, escolhi viver em vez de sobreviver, que era o que fazia antes. Mas não tem que ser da forma difícil. Tu podes fazer as coisas de forma mais simples, porque tens pessoas ao teu redor já com esta idade que tens que te dizem estas coisas e te mostram exemplos reais de vida muito bonitos e valiosos. Basta mesmo escolheres e amares-te muito. Eu não me amava e por isso não me respeitava, e por isso escolhia, ou não, agia sem consciência de quem realmente sou. Mas repara, todos têm o seu tempo de aprendizagem e experimentação. E tu gostas muito de dramas, és uma excelente atriz! Por isso resta veres se queres interpretar dramas só no palco ou na tua vida também”.
“Hehehe. Pois, eu sei. Mas muitos dos dramas que faço, faço porque quero, porque quero obter um resultado e sei que aquilo vai dar aquele resultado.”
“Pois é filha, quem brinca com o fogo às vezes queima-se. Eu não posso impedir-te de fazeres as tuas experiências. Tu és um ser único e tens a tua própria história para viver. Apenas te posso mostrar como se pode fazer de outra maneira, sugerir e amar, aceitando-te como és. De resto, tu terás que escolher para ti, sabendo que todas as escolhas têm algum tipo de resultado, e percebendo quais são os resultados que melhor te servem, dependendo do que queres vivenciar. Quantas vezes eu te falo nestas coisas, e na Essência, e em Respirar e etc e tu dizes que são tretas e depois mais tarde vens-me perguntar algo sobre isso? Quantas vezes tens dito que nunca farias algo ou nunca mudarias de ideias sobre algo e depois mudas mesmo, porque vês que não te serve manter a forma anterior de estar? É assim, vamos aprendendo e crescendo.”
“Pois. Mas por exemplo eu nunca vou fazer as asneiras que tens feito ao apaixonares-te pelas pessoas erradas repetidamente e depois sofrer com isso. Quando eu me apaixonar vai ser com a pessoa com quem vou viver para o resto da vida.”
Grande sorriso o meu. “Se é isso que escolhes para ti que assim seja, mas duvido que seja assim tão linear. Eu não considero que ter tido os relacionamentos que tive até agora foi um erro da minha parte. Foram experiências muito preciosas e todas elas me fizeram crescer e perceber mais sobre o amor e sobre o ser humano. Não vou impedir-me nunca de me apaixonar e de amar plenamente, não importa por quanto tempo seja e o que venha a ocorrer de seguida.”
“O meu pai diz que já não tem idade para se apaixonar, que só nos apaixonamos na adolescência. Que depois dos 40 não faz sentido apaixonarmo-nos. Fica-se muito vulnerável e depois magoamo-nos.”
“Pois eu considero que a paixão não tem idade, faz parte da vida. E viver sem nos apaixonarmos, por pessoas ou pela vida em si mesma, é viver a medo. Sem nunca nos entregarmos completamente à experiência de estar aqui. Quando a paixão surge há que vivê-la intensamente, com consciência e intensamente. Afinal de contas é a paixão que incendeia a vida. Daqui a uns tempos voltamos a falar sobre isto tudo e veremos como te sentes em relação a isto.”