sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Special gift... / Presente especial...

Português e Inglês:

Sugestão simples e significativa para um presente muito especial:
Por vezes é-nos difícil ver o que temos de único e especial, o que brilha mais em nós, mas os outros conseguem com frequência ver isso mesmo com muito mais facilidade. Que tal usar esta evidência de forma criativa?
Escreve o que vês de único e especial, o brilho que vês noutra pessoa, escreve-o com todo o coração, deixando fluir o que realmente sentes que faz dessa pessoa alguém especial na tua vida... aliás, que torna o mundo um lugar mais completo porque ele/ela existe... Este é um presente que não tem preço por ser tão precioso de dar e de receber... e é tão simples!
Fiz isto há dias com uma turma minha de inglês e depois pedi a todos que fizessem o mesmo para os colegas da turma. De início ficaram um pouco perplexos com tal pedido, mas à medida que íam preenchendo post its com o que os colegas tinham de especial, foi-se tornando mais e mais fácil e por fim acabaram por sair mais tarde da aula para poderem acabar e entregar tudo a todos! Amar é simples, mas alguém tem que tomar o primeiro passo  Que tal seres tu?
Para servir de exemplo, aqui ficam algumas das dedicatórias que escrevi, sem nome para não revelar identidades. Isto foi como fiz desta vez, mas tu farás como te fizer sentido a ti.
Tenho feito isto ao longo dos anos não só com alunos como com amigos e familiares e é sempre algo tão bonito de fazer, pois todos trocam pedaços de amor verdadeiro entre si e invariavelmente ficam mais doces, aprendendo a aceitar melhor as diferenças entre si e em si mesmos 
Aqui fica então a minha sugestão simples, para o Natal ou para qualquer outro momento... pois Natal é quando queremos!!! 

***

Simple suggestion for a very significant and special present:
Sometimes we find it hard to see what is unique and special about us, what glows the most in us, but others can often see exactly that very easily. Why not use this evidence in a creative way?
Write down what you see in another person, that is unique and special, what glows in him/her. Write it with your heart, letting flow what you really feel makes that person special in your life... actually, this is what makes the world an even more complete place, just because we are all here. This is a priceless present because it is so precious to give and to receive... and it is so simple to achieve!
I did this a few days ago with an English class of mine and then I asked my students to do the same for their colleagues in class. At first they were a little bit perplexed with my request, but as they started and continued doing it, it became easier and in the end they left the class late just because they didn't want to leave without finishing the notes for everyone!
Loving is simple but someone has to take the first step. It could be you this time 
Here are some of the notes I gave my students, just to serve as an example, but of course you will do it in your own unique way. They have no names in order not to reveal identities 
I have done this throughout the years with my students, friends, family and it is always such a beautiful experience for all. Everyone gets to exchange chunks of real love and this makes us sweeter, learning to accept each other's differences as well as our own.
So here is my suggestion for a simples gift, which can be exchanged either for Christmas or any other time you feel like it, because all in all it can be Christmas whenever one chooses to! 




domingo, 14 de dezembro de 2014

Esperança

Algo que escrevi em 1991, quando o meu pseudónimo era Melissa O'Neil  aqui fica a partilha.

1991
Um dia conheci uma vagabunda. Errava pelo mundo, percorria searas longínquas e dizia-se feliz.
Um dia conheci uma vagabunda. Sabia histórias coloridas e falava sobre a guerra. Dizia que vira a dor, que chorara e sentira amargura.
Não sei quem era. Era alguém, nada mais importa. Falou-me do vento e do mar, da verdura que treme sob a neve, da chuva e do sol. Falou-me da vida.
Não sei de onde vinha. Ria como uma criança, corria e saltava nos caprichos do tempo.
A luz brilhava nos seus olhos e o seu sorriso era doce como as estrelas.
Não sei o que fazia. Murmurava palavras de sonho e magia aos ouvidos dos que procuram sem encontrar. Abraçava o céu e a terra e cantava.
Era ela. Era a esperança. Vinha e ía como o calor, como a tempestade.

Melissa O'Neil (hoje T. C, Aeelah)


Receita

Receita


Hoje não me apetecia cozinhar mas apetecia-me comer algo diferente e delicioso feito por mim ;) Partilho aqui a louca invenção… Desculpa mas não sou de seguir receitas e medidas por isso se quiseres experimentar esta receita parte dela vai mesmo ter que ser feita a olho!! J

Como já não comia carne de vaca há muito utilizei um bife de vitela, mas podes utilizar outra carne, peixe (vai muito bem com salmão por exemplo), ou se és vegetariano/a podes utilizar tofu ou alguma outra fonte de proteína que te agrade.
O bife foi simplesmente passado com um pouco de azeite, alho e sal.
É no acompanhamento que reside a criatividade desta receita.

Ingredientes:

Uma laranja grande
Alguns bagos de romã
Algumas amêndoas cortadas em pedaços ou laminadas
Algumas lascas de raiz de gengibre
Um cubinho de manteiga
Uma pitada de canela

Na mesma frigideira/tacho onde foi frito o bife, ainda com algum alho e suco da carne (ou de outra coisa que tenhas decidido cozinhar com sal), colocar meia laranja cortada em pedaços, os bagos de romã, as amêndoas, as lascas de gengibre e a manteiga. Mexer durante uns 3 minutos. Juntar a canela e o sumo do resto da laranja. Deixar cozinhar mais cerca de 3 minutos. E já está.
O almoço levou-me cerca de 15 minutos a fazer e estava delicioso. Foi acompanhado com uma salada de espinafres frescos, rúcula, alface e tomate, temperada com Pesto e vinagre balsâmico, bem como com uma fatia de pão de cereais.
Bom proveito! J





segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

A Expressão do Ser Expandido


A Expressão do Ser expandido


"Diz um antigo texto de Yoga Vasishta que “o mundo é como uma cidade enorme, reflectida num espelho. Assim também, o universo é uma enorme reflexão do nosso ser na nossa própria consciência”.
Olhemos agora para o mundo actual. Os cientistas sociais afirmam que o nosso comportamento colectivo está a criar um ambiente insustentável devido ao esgotamento das reservas naturais, levando a efeitos devastadores como o efeito de estufa, a mudança dos ciclos climatéricos, com todas as consequências negativas sobejamente conhecidas. Á primeira vista estes eventos diferentes parecem não estar relacionados, mas na realidade estão. Resultam do nosso sentido restringido de Ser colectivo, surgem em sincronia. Os conflitos religiosos, a poluição, o terrorismo, a devastação do solo arável, as centrais nucleares, a toxicodependência, a extinção das espécies, a pobreza, o crime, as guerras, a indústria do armamento, as cheias, a fome, a existência de químicos perigosos na cadeia alimentar, tudo isto está relacionado.
Se cada um nós conseguisse aspirar à expressão do seu Ser expandido, e se pudéssemos partilhar uns com os outros o conhecimento de experiência do nosso Ser expandido, talvez conseguíssemos criar um ambiente baseado no respeito pela vida, restabelecendo o equilíbrio de toda a vida natural. Este ambiente transformado, resultaria por seu turno no co-surgimento simultâneo de eventos que espelhariam um mundo completamente novo. Neste planeta ideal encontraríamos paz de espírito, o senso de sagrado, parcerias económicas e prosperidade, indústrias energéticas eficientes e limpas, uma compreensão científica da nova realidade, um florescimento das artes e da filosofia, e uma verdadeira consciência da nossa unidade. Nesta sociedade entenderíamos com clareza que o amor é a força básica que move o universo."

Excerto de um trabalho intitulado "Programação Positiva" que fiz em 2004 para a cadeira de Psicossociologia no curso de Pós Graduação em Exercício e Saúde. Dez anos volvidos e acredito que SIM, tal como acreditava antes, é isso que me apaixona - Ser a expressão do meu SER expandido.. Será que somos capazes de algo sequer similar a isto, muitos e muitos de nós a expressar o seu Ser expandido?  Aqui fica o convite...

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Ideias

Algo que escrevi em 2006... e como veio de um plano de consciência intemporal, é tão verdade hoje como sempre ;)

Sobre as crianças e a forma como nos desafiam a olhar para as coisas com olhos de ver. Sobre as ideias, a mudança e a realidade:

" (...) Outra questão curiosa que a minha filha me pôs há dias foi “porque é que as pessoas mudam de ideias?”… Ela chegou a esta conclusão com ela própria após alguns meses de luta contra ir para o jardim de infância. Um dia de manhã, como que por magia, começou a querer ir e a gostar de ir.
É, e digam-me lá porque é que as pessoas mudam de ideias? A mudança faz parte de toda a criação, até se pode dizer que é a única realidade que existe. Ser flexível e aprender a flutuar com o fluxo da existência ao invés de esbracejar contra a corrente; é também uma habilidade subvalorizada…mas atente nisto: será que mudamos de ideias depressa demais, ou nem por isso? Escute a sua mente…Quantas ideias viu ou ouviu nestes momentos? Suponho que nem consegue definir ao certo quantas. Mantermo-nos focados é isso ou são as não-ideias, ou seja, não ter ideia nenhuma? E consegue não ter ideia nenhuma? Mas será que não temos demasiadas ideias em marcha ao mesmo tempo? E se são as ideias que criam a nossa realidade então como pode a realidade não ser desordenada? Existem boas e más ideias ou são todas apenas ideias? Como descartar as que não nos servem e guardar apenas as que importam para nós a dado momento?
Deixo estas questões para reflexão…abane as suas ideias!! (...)"

Na altura andava a aprender, a praticar, a experimentar esta e aquela forma de calar o ruído da mente, mas sabia que um dia conseguiria. E agora, em 2014, momento em que consigo realmente desfrutar de muitos e longos momentos sem ter ideia nenhuma, e em que nos outros tenho apenas uma ideia de cada vez, percebo ainda melhor como o vai e vem constante de ideias engarrafadas em caos total influencia tanto a nossa realidade e como a simplicidade do silêncio torna essa mesma magicamente ampla e fluida.

T. C, Aeelah