quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Passos Simples

Passos Simples


Enquanto estivermos vivos teremos sempre desafios. E esses desafios serão de diversas naturezas. Alguns apresentar-se-ão de forma agradável, outros nem tanto. E até mesmo os que são agradáveis poderão ser tão abundantes que nos assustam.

E aqui reside a resposta. Tudo o que nos assusta produz resistência. A resistência produz obstáculos. Os obstáculos produzem dificuldade. A dificuldade produz esforço. O esforço cansa. A dado momento ficamos sem ânimo. Sem ânimo não conseguimos ver ou escolher claramente. Sem ver ou escolher claramente ficamos confusos e perdidos. Quando ficamos confusos e perdidos entramos em pânico. Quando entramos em pânico o drama afoga-nos. Quando o drama nos afoga, tudo perde o sentido. Quando tudo perde o sentido não há propósito na vida. E se não há propósito na vida deixa de valer a pena sequer enfrentar os desafios… sequer viver.

Mas… e se amarmos em vez de temermos? Se cooperarmos em vez de resistirmos?

É certo que por vezes parece impossível cooperar, ou seja, amar o que nos está a aparecer à frente. Por outro lado, seja o que for, está na nossa realidade, logo, faz parte de nós, de uma forma ou de outra. E se há alguém com quem temos mesmo que viver toda a vida é connosco próprios na nossa realidade. Ainda que haja formas de tentarmos fugir de nós próprios e da nossa realidade, a consequência direta disso será sempre um estado geral de confusão e incompletude.

Como é que se coopera com um valente drama? Largando o drama… Dando um passo atrás, observando e assumindo uma perspetiva neutra. As coisas são o que são e não o que parecem ser e a forma como as vemos dá-lhes o significado que parecem ter.

“Sim… mas amar um drama???!” Espera aí! Primeiro, já largámos a perspetiva dramática. Por isso deixou de ser um drama. Segundo, o que é que escolhes para ti? Se te respeitares inteiramente, se souberes que és capaz de qualquer coisa, se souberes que nada é impossível, se souberes que mereces o melhor resultado possível… se te amares… o que é que escolhes para ti?

O tamanho do desafio serve o propósito de aumentar o tamanho do teu amor, o tamanho da tua confiança, o tamanho de quem realmente és!!!!!!!!!

Os cinco passos simples para resolver qualquer desafio são então:

1 – Respira… em silêncio. Volta ao teu CENTRO
2 – Larga o apego ao sucedido
3 – Dá um passo atrás e observa de um ponto de vista neutro
4 – Escolhe… para ti
5 – Confia, ama e respeita-te sem limites

Convém descobrir primeiro: o que é mesmo respeitares-te? O que é mesmo amares-te? O que é mesmo que queres para ti?

E os outros?

Os outros serão sempre eles mesmos. Faças o que fizeres não poderás evitar que alguns te amem e outros nem por isso. Mas o teu exemplo de auto-respeito, o amor que transbordas quando te amas, o poder da tua auto-confiança, a tua vitalidade e ânimo farão sempre uma grande diferença para muitos com os quais tens o privilégio de trilhar os caminhos da vida.

T. C. Aeelah




terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Momento Perfeito / Perfect Moment

Quando segues o teu coração nunca é tarde demais nem é cedo demais. É o momento perfeito!


***

When you follow your heart it is never too late or too early. It is just the perfect moment!