sábado, 14 de fevereiro de 2015

A Fórmula para além da Fórmula /The Flow of Abundance Manual

"A Fórmula para além da Fórmula


Então o que se passa é isto:

Escolhe – Confia – Recebe

Sim, é verdade, funciona e é muito muito simples.

Quando começas a permitir que isto ocorra, a ver como realmente funciona, a constatar na prática que é mesmo assim que tudo ocorre, a consequência natural é apaixonares-te – invariavelmente. Não, não por outra pessoa, embora esse possa ser um bónus extra, quem sabe – mas por TI! Pela tua Essência, por todo o teu Ser, pela tua Divindade, pela tua Humanidade, pela Vida, por tudo, por todos! Aos poucos tornas-te Amor. Largas os julgamentos, as vergonhas, as culpas. Paras de te queixar e resmungar. Deixas de estar farto/a e passas a aceitar largar os jogos que eventualmente não te divertem com toda a naturalidade. Paras de desejar estar noutro lugar, de querer viver uma outra vida, porque começas a viver a vida que realmente estás a escolher viver!

Nota: enquanto te sentires farto/a, te apetecer resmungar acerca da tua vida, desejares estar noutro lugar e viver uma outra vida, vais ficar com tudo igualzinho porque este teu estado de insatisfação apenas se valida a si mesmo, mantendo-te precisamente nesse estado!

Voltando ao momento em que te apaixonas… por ti. Respeitas-te como nunca antes, e por isso respeitas os outros como nunca antes, e é daí que as tuas escolhas derivam – não da tua vitimização – mas da tua grandeza, e conforme a reconheces em ti mesmo/a, reconhece-la em todos.
A grandeza não cabe na pequenez. Quando a grandeza se instala, a pequenez desaparece instantaneamente. É uma gota no oceano – quando ela cai na vastidão do mar, deixa de ser uma gota e passa a ser o Oceano todo!

O Amor. Tu És Amor. O Amor é o passo número 1.
Quando És e Amas – És Amor. Surge esta fonte inesgotável de juventude que borbulha em ti. A Confiança torna-se natural.
O que resta em que não confiar?
Quando ÉS AMOR, o Medo desaparece…
É como entrar num quarto escuro onde parece que vês sombras, e quando ligas a luz vês que afinal as sombras não passavam da tua imaginação contando-te estórias de medo.
O medo alimenta a dúvida. A dúvida leva-te a acreditar na tua pequenez, nas impossibilidades, nas limitações.
Quando ligas as luzes do Amor tudo isso – puft! – desaparece!

Passo número 2: Confiança.
Escolhes em Amor, Confias e depois simplesmente Desfrutas de tudo! O Receber é um dado adquirido, uma vez que não existe dúvida! Daí que reste apenas desfrutar do resultado garantido das tuas escolhas – 100% do tempo! Sem qualquer desperdício de energia.

Passo número 3: Desfruta!
Em que é que isto beneficia o mundo?
Em primeiro lugar dispensas toda a gente de gastar energia a alimentar a tua vitimização e dispensas-te a ti da energia gasta com o esforço de manter o jogo da vitimização ativo na tua vida e na dos outros. Consegues avaliar a enorme quantidade de energia que é poupada e usada de forma apropriada para o bem maior de cada um e consequentemente para todos?
Em segundo lugar, lideras pelo teu exemplo. Se tu consegues fazê-lo, todos o conseguem fazer. E se cada um assim o escolher, também pode viver assim. Mas é mesmo isto que todos querem? Tu não fazes ideia, e não tens o direito de interferir com as realidades dos outros.
Por isso vive a tua vive e deixa que os outros vivam a deles, e tudo se acomodará por si mesmo, no seu próprio ritmo perfeito.

Em terceiro lugar, conforme vives a tua vida, honrando cada criatura viva, em gratidão por tudo e por todos que se atravessam no teu caminho, em simplicidade e respeitando o fluxo natural da existência, abres novas portas de consciência e novas sendas que permitem um vasto leque de potenciais para todo o planeta – uma infinidade de possibilidades que derivam do Amor, da Paz, do Equilíbrio, da Harmonia, da Alegria, da Abundância, da Pureza, da Serenidade… Agora diz-me, consegues pensar nalguma dádiva maior para dar ao mundo?"

Capítulos finais do Livro: Manual o Fluxo da Abundância (T. C. Aeelah)

The Formula Beyond the Formula

So it goes like this: choose – trust – receive. Right?

Yes, it is true. It works and it is very simple indeed.

When you start allowing this to happen, seeing how it works, having definite proof of it, you invariably fall in love. No, not with someone else, though that might be an added bonus – but with YOU!!! With your Essence, with your entire Self, with your Divinity, with your Humanity, with Life itself, with everything, with everyone – you slowly but surely become LOVE, you release judgments, shames and guilts, you stop bickering and complaining. You stop wishing you were somewhere else living a different life because you start living the life you are actually choosing to live!

Note: while you feel fed up, while you are complaining about your life, while you wish you were somewhere else living a different life, everything will remain exactly the same because your insatisfaction validates itself with your being fed up – keeping you in that state and perpetuating it.

Back to the moment when you fall in love… with yourself. You respect yourself as never before, and therefore respect others as never before, and that becomes the place where your choices stem from – not from your victimness – from your grandness, and you see it in you, you see it in everyone.
Grandness doesn’t fit into smallness, you see. When grandness moves in, smallness instantly disappears. It’s like a drop in the ocean – when it falls into its vastness, it is no longer a drop, but the entire ocean!

So Love. You are Love. Love is step number 1.

When you Are and you Love – you ARE LOVE -there is this never ending fountain of youth bubbling from within you, TRUST becomes natural.
What is there left not to Trust?
When you are Love, Fear disappears.
It’s like entering a dark room where you seem to see shadows and then switching on the lights and realizing the shadows were nothing but your overactive imagination telling you stories of fear.
And fear fosters doubt. And doubt leads you to believe in smallness, in impossibilities, in limitations.
When you switch on the Lights of Love all of that – “pooft” – disappears!

Step number 2: TRUST.

You choose in Love, you Trust, and then you simply enjoy it all! The receiving part is a given fact, since there is no doubt. That’s why all that remains to revel in is the guaranteed result of your choices – 100% of the time! No energy wasted at all.

Step number3: ENJOY.

How does this benefit the world?
Firstly you spare everyone from spending energy fostering your victimness and you spare yourself the energy spent on struggling to keep the victimness game active in your life – and in everyone else’s life. Can you figure just how much energy is saved and used appropriately for the greater good of each one and therefore of all?
Secondly, you lead by example. If you can do it, anyone can do it. And if one chooses to, they can live like this – no matter how dire their reality seems to be. But is that what everyone wants? You have no idea, and you have no right to interfere with other people’s realities.
Therefore just live and let live and all shall fall into place of its own accord and in its own perfect rhythm.
Thirdly, as you live your life, honouring each living creature, in gratitude for everything and everyone that crosses your path, in simplicity and respecting the natural flow of existence, you open up new doors of consciousness and lay new tracks that bring in a whole new array of potentials for the entire planet – an infinitude of possibilities which stem from Love, Peace, Balance, Harmony, Joy, Bounty, Purity, Serenity… Now you tell me: can you think of any greater gift to give the world?"

Last Chapters of The Flow of Abundance Manual - T. C. Aeelah


Amor sem Necessidade / Love without Need

Neste dia do AMOR um excerto do meu livro "Não apenas mais um livro sobre o amor - O Livro sobre o Amor / Book about Love"
On this day of LOVE here is a short extract from my book "Not just another book about Love - THE book about LOVE"

Sobre amar e ser amado sem Necessidade:
About loving another and being loved without Need:

"É como amar o oceano. Imagina que amas o oceano. Agora dá-te conta da sua liberdade, da sua paixão selvagem, da sua vastidão, da forma como rola e dança constantemente com a areia, com o vento, com o sol, com a lua... Não precisa do teu amor para ser o que é. É, apenas. E tu ama-lo (o oceano) profundamente, apaixonadamente. Então e se pudesses sentir o mesmo por alguém? Consegues sentir o quão livre e expansivo, o quão especial este amor seria? Mmmmm... sabe bem, não sabre?"
By T. C. Aeelah

"It is like loving the ocean. Imagine you love the ocean. Now picture its freedom, its wild passion, its vastness, the way it dances and rolls constantly with the sand, with the wind, with the sun and the moon...It doesn't need your love to be what it is. It just is. And you love it deeply, passionately. Well now what if you could feel the same way about someone else? Can you feel how free and expansive, how very, very special this love would be? Mmmmm... feels good doesn't it?"


quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

SÊ! Simples / BE! Simple

Sempre que pensas que as coisas poderiam ser mais simples: SÊ SIMPLES! Funciona 100% das vezes.


***



Whenever you think that things could be simpler: BE SIMPLE! It works 100% of the time.

T. C: Aeelah


sábado, 7 de fevereiro de 2015

Quem está a falar?

Quem está a falar?

Sobre Aspetos da Personalidade

Os Aspetos da Personalidade fazem parte da experiência de Ser Humano. São criados momento a momento para servir os propósitos necessários à interação com o mundo e com os outros. Em situação regular um Aspeto é criado no exato momento em que é necessário e depois dilui-se novamente no vazio em ti de onde nasceu – no vazio da tua consciência. Em situação irregular, esse mesmo Aspeto permanece criado para te alertar e guiar através da ocorrência de situações similares, ou seja, quando te assustas, por exemplo, o Aspeto que estava a ter determinada vivência passa a ter a função de te “proteger” de situação similar no futuro. Há muito, mas mesmo muito mais para dizer sobre Aspetos. Este é apenas um pequeno resumo (muitíssimo resumido) para contextualizar o que exponho de seguida.

Acontece que, ao longo das nossas experiências de dor, sofrimento, tristeza, mágoa, angústia, medo, raiva… por outras palavras: de limitação, vamos criando Aspetos dissociados que regem os nossos pensamentos, palavras, escolhas e atos. Alguns estão connosco há tanto tempo que o nosso grau de identificação com eles é total, ou seja, achamos que aquilo somos nós. Nestes casos, não conseguimos discernir se quem está a pensar, falar, escolher, fazer somos nós em consciência ou se é meramente um Aspeto da nossa Personalidade, com uma história muito precisa e limitada sobre a realidade. Cada Aspeto serve um propósito diferente e sabe apenas a sua própria história. Não há, pois, nenhuma forma de convencer um Aspeto do contrário daquilo que ele é.

Todas as vezes que tens dúvidas sobre ti mesmo/a, que acreditas que não sabes as respostas para os teus desafios, que achas que és incapaz, insuficiente, não merecedor… etc… não és TU que estás a falar, mas sim as partes tuas que acreditam nestas histórias fruto de experiências passadas nas quais ficaram presas e que continuam a repetir e a perpetuar, levando-te a reagir sempre da mesma forma perante o mesmo tipo de situações. Se tens por exemplo uma parte tua que diz constantemente “não sei”, e te perguntares porque não sabes, a resposta será simplesmente “não sei” porque esse Aspeto apenas serve o propósito de não saber, ou seja, apenas sabe que não sabe, mas nem sabe o quê!
A questão é: como é que se muda isto?

No processo de Integração de Aspetos que facilito quer individualmente, quer através de workshops, o que se faz é precisamente mudar isto. Primeiro é preciso saber ficar PRESENTE, encontrar o nosso CENTRO, ficar em SILÊNCIO. Como? Respirando conscientemente. Depois de se conseguir fazer isto, o passo seguinte é conseguir observar sem julgar e acima de tudo SENTIR. Um Aspeto só pode ser integrado, que é o mesmo que dizer diluído, quando deixa de ser necessário. E quem decide se ele é necessário ou não és tu. Mas não é uma decisão da tua cabeça. É algo que tens que primeiro sentir, e depois mostrar na prática, mudando de atitude. Por outro lado, um Aspeto não se dilui se estiver a ser ignorado ou rejeitado. Tem que ser reconhecido e aceite. Depois pode realmente diluir-se.

A saber: os Aspetos dissociados só sabem de si mesmos. Não podem ser forçados, convencidos ou manipulados… Muitos são, aliás, mestres em manipulação. Não há por isso argumentação que os demova das suas funções. A mudança tem que vir de dentro, com a tua escolha, e refletir-se fora, com a tua ação.


Nota: todos temos Aspetos dissociados e o processo de Integração ocorre no seu próprio tempo, à medida que vamos tomando consciência de quem realmente somos e do que realmente queremos. Aos Aspetos da Personalidade chama-se comumente de EGO J E quem realmente ÉS? Um SER.