terça-feira, 24 de novembro de 2015

Compaixão - Balada da Alma 17

Um excerto do livro Baladas da Alma - A Melodia de Ser (T. C. Aeelah, 2010)

Dia 17

“Total aceitação de ti. Vê-te como eu te vejo, aceita-te como eu te aceito.”

Até tenho a melhor professora possível nesta lição de aceitação aqui mesmo dentro de mim,  sempre. Que mais poderia querer?

Aceitação é apenas outra palavra para Compaixão, mas enfim, é tão necessária neste processo de nos tornarmos equilibrados, que este convite é repetido todos os dias, junto com os outros:)

Só posso entrar em harmonia completa com todos os outros, uma vez que esteja em completa harmonia comigo mesma.

Como poderia eu julgar os grupos de terroristas que andam por aí a rebentar com tudo, totalmente certos da sua legitimidade, quando tenho um bando de terroristas dentro de mim, jogando jogos destrutivos o tempo todo, jogando ás escondidas e à apanhada, aterrorizando-me a todo o momento, sempre a tentar apanhar-me desprevenida? Como posso encorajá-los a voltar a mim, a confiar em mim, se eu julgo os terroristas fora de mim?

O mesmo se aplica ao assassino, ao suicida, ao violador e ao torturador, ao bandido e ao gangster, ao próprio diabo... quanto mais me fazem impressão, mais são Aspetos meus há muito escondidos, perdidos nas brumas do tempo.

Por isso observo a respiração e convido cada parte rejeitada de mim a vir, “vem para a minha alma, confia, confia que estou em casa, vem, vem para este lugar quentinho que eu criei no meu corpo, para a reunião de mim”.

Não importa quão perdido qualquer um de nós pareça estar, não há nem um único de nós que seja um “Deus Menor”. A centelha de Tudo o Que É que reside em nós, que é quem somos, é completa, inteira. Cada um de nós contém todo o Amor, toda a Sabedoria, todo o Poder, toda a Alegria, toda a Abundância, toda a Paz, toda a Criatividade, toda a Liberdade, tudo de tudo o que possamos procurar ou achar que necessitamos. Está tudo aqui, florescendo em mim, em ti... conforme dizemos “Sim” à perfeição de tudo o que é.

Embora possa muitas vezes parecer que há algo errado com o mundo, que há algo errado com as pessoas, que há algo errado comigo, sei que tudo está bem em toda a criação, pois estamos simplesmente a viver a dança da existência em todas as suas cores e formas. Podemos tentar e tentar, mas é impossível deixarmos de ser Eu Sou o Que Eu Sou, mesmo que estejamos inconscientes da amplitude total desta verdade.

Não importa que jogos estou a jogar, em que histórias estou a acreditar, que dramas estou a criar. Sou apenas eu descobrindo as imensas possibilidades da vida. Posso vê-las como boas, posso vê-las como más... mas são simplesmente Deus acontecendo.

Não tem importância pois tarde ou cedo, quando eu me cansar das minhas grandiosas produções dramáticas, reconhecendo a mestria que contêm, posso escolher criar novas produções de um tipo diferente, com novos sabores, novas cores, novas fragrâncias.

E continuo por aí adiante, a praticar a aceitação total de todas as partes de mim, com doce amor e carinho. Vejo as distrações que aceitei em vez de Mim, em vez de Eu Sou o Que Eu Sou e respiro a minha serena aceitação: “Shhhh, vem a mim conforme eu te abraço, tudo em mim.” Shhhh... no silêncio de mim... e deixo ir.

*** 

Balada da Alma 17

Se soubesses que és um Anjo
Amarias e aceitarias
ou lutarias e rejeitarias?




















Compassion - Soul Song 17

Another extract from Soul Songs - The Melody Within (written in 2010 by T. C. Aeelah)

Day 17


“Total acceptance of you. See you as I do, accept you as I do”.

I even have the best possible teacher in the lesson of acceptance right here within me, all of the time. What else could I need?

Acceptance is just another word for Compassion, but alas it is so necessary in the process of becoming balanced that this invitation is repeated each day, together with all the others:)

I can only ever come to be in complete harmony with all others once I am in complete harmony with myself.

How could I ever judge the terrorist groups which go around blowing everything up, totally certain of their legitimacy, when I have a whole bunch of terrorists inside of me, playing destructive games all the time, playing peek-a-boo and hide and seek, scaring the living daylights out of me at any given opportunity, whenever I am caught unaware? How can I ever encourage them to come back to me, to trust me, if I judge terrorists outside of me?

The same goes for the assassin, and the suicidal one, the rapist and the torturer, the thief and the gangster, the devil him/her/itself... the more they irk me, the more they are long forgotten Aspects of me, lost in the mires of time.

So I observe and breathe and invite each forlorn part to come, come to my soul, trust, trust I am home, come, come to this cozy place I have created in my body, for the reunion of me.

No matter how “badly” lost any one of us seems, there is not a single one who is a lesser God. The speck of All That Is that resides in us, that is us, is complete, unshattered. Each one of us contains all of the Love, all of the Wisdom, all of the Power, all of the Joy, all of the Abundance, all of the Peace, all of the Creativity, all of the Freedom, all of all that we can possibly seek or deem to need. It is all here, blooming in me, blooming in you... as we say Yes to the perfection of all that is.

Though it may often seem that there's something wrong with the world, there is something wrong with the people, there is something wrong with me, I know that all is well in all of creation, because we are simply living the dance of existence in all of its colours and forms. Try as we might, it is impossible to cease to be I Am That I Am, even if I'm unaware of the full span of this truth.

It doesn't really matter what games I'm playing, what stories I'm believing in, what dramas I'm creating. It is just me discovering the immense possibilities of life. I can see them as good, I can see them as bad... but they are simply God happening.

It doesn't really matter, for sooner or later, when I tire of my grand dramatic productions, acknowledging the mastery in them, I can choose to create new productions of a different kind, with new flavours, new colours and scents.

And I go on and on, practicing total acceptance of all of the parts of me, in tender loving care. I see the distractions I have accepted rather than Me, rather than I Am That I Am and I breathe my serene acceptance: “Hush, hush, come now as I embrace all of you, all of me”. Hush in the silence of me and let go.


*** 


Soul Song 17 


If You knew you are an Angel
Would you love and accept
or would you fight and reject?












terça-feira, 17 de novembro de 2015

Silence versus Fear / Silêncio versus Medo

To the Human mind Silence seems totally ineffective when dealing with injustice.
Much on the contrary, Silence is the perfect antidote. But this Silence I am referring to is not just keeping quiet. It is much more than that. It is actually a Silence that speaks volumes. It is deeply Wise, does not judge or argue points, it does not impose, and it does not fight back or against either. The Stillness of Silence allows only Sweetness and in it reside the seeds of Love. It does not comprehend the language of Fear, therefore it does not interact with it and Fear has no way of invading Silence because it is blind to it.
This Silence is pure awareness and requires nothing from anybody, yet shows a sparkling example of Peace.
Silence allows us to discern, and then act accordingly, in tune with the Supreme Wisdom of the Isness that We Are.
It is not a winning game though... or losing either ;) In its Powerlessness it is Sovereign.
Each moment your Heart rests in Silence, you breathe Love into the world and create waves of change, that though subtle are the most powerful roots for a new order.
You need not get impatient, angry or frustrated. Silence has its own perfect way of dealing with this Fear driven world.
All it needs is more practitioners :)... so please don't go and join the fighting factions. Silence is right here, now, within you.

***

Para a Mente Humana o Silêncio parece totalmente ineficiente quando se trata de lidar com a injustiça.
Muito pelo contrário. O Silêncio é o antídoto perfeito. Mas este Silêncio a que me refiro não é apenas ficar calado. Está muito para além disso. Na verdade é um Silêncio que fala volumes. É profundamente Sábio, não julga ou argumenta, não se impõe e também não luta contra.
A Quietude do Silêncio permite apenas Doçura e nele residem as sementes do Amor. Não compreende a linguagem do Medo, logo, não interage com ele e o Medo não tem forma de o invadir pois é cego e não o consegue ver.
Este Silêncio é consciência pura e não requer nada de ninguém, mostrando no entanto um brilhante exemplo de Paz.
O Silêncio permite-nos discernir para depois agir em concordância com a Sabedoria Suprema do Ser que Somos.
Não é, por outro lado, um jogo de ganhar... ou de perder. Na sua ausência de Poder é Soberano.
Cada momento que o teu coração descansa em Silêncio, respiras Amor para o mundo, criando ondas de mudança, e ainda que subtis, são as mais poderosas raízes para uma nova ordem.
Não fiques impaciente, zangad@ ou frustrad@. O Silêncio tem a sua própria forma de lidar com este mundo gerido pelo Medo.
Apenas precisa de mais praticantes :)... por isso por favor não corras para te juntares às fações de luta. O Silêncio está aqui, agora, em ti.



segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Let go

Here is an extract from my Soul Songs book - Day 9 - Let go

Day 9


“Let go. Release”...

Let go of my grip on beliefs which no longer serve me.

Let go of fears I no longer need.

Let go of hurts I no longer accept to keep.

Let go of rules I no longer believe in.

Let go of people I hold onto for safety.

Let go of things which I have no more use for.

Let go of ideas which are no longer productive.

Let go of doubt which holds me back.

Let go of places I no longer feel drawn to.

Let go of activities I no longer revel in.

Let go of judgments about myself which stifle my potentials.

Let go of judgments about others which keep me from seeing their true sparkle.

Let go of judgments about what I thought, said and did in the past.

Let go of blame, shame and guilt.

Let go of the compulsory need to suffer and do it the hard way.

Let go of drama.

Let go of my perceived limits and limitations.

Let go of expectations about the future.

Let go of all of my learnt practices and tools for self development and awareness just let them come back to me in their own way, from deep within, truly trusting my creative power.

Let go, let go, let go... until I feel like a blank slate where I can write my new story on.
I choose, therefore I create, therefore I exist: I AM.

Yes, I know it is challenging. Very challenging. The human me feels lost when I start letting go. She feels afraid “what am I going to do without all of that which I thought to be me?” And then my essence comes in with its soothing love and holds me in Her arms and just says “it's ok, we'll do it together, just stay with me. Don't be afraid. It's ok”.

And so I can allow myself to feel sad, and to feel lost and to feel empty, not knowing what comes next. I can allow myself to feel frustrated and even shocked at all of the lies I have been living and believing in, which are not who and what I truly am and can be from now on. I can allow myself to cry and to feel like I am going through a deep mourning process for in fact it is part of me that is dying, dead. And it's ok.

The new can only come forth when we have emptied the space for it to finally fit in. Before that, our cup was so full with the old that nothing else could be poured in it. It would only spill out and be lost.

Can you allow yourself to be the empty vessel for your soul to seep in and fill you with so much love, so much wisdom, so much power, so much peace and joy and balance... all you have ever wished for?

You are the Holy Grail! We all are. Each and every one of us! Living, walking, talking, breathing Holy Grails!

Letting go, the pure essence of Forgiveness, is the most liberating gift we can allow ourselves. It removes all of our burdens so we can feel light and free to fly further than ever before!



Soul Song 9
  
If you knew you are an Angel
A sprinkle of Stardust
A Magic wand
How would you choose to live each moment you give?




sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Success and Failure? / Sucesso e Fracasso?

Success and Failure? / Sucesso e Fracasso?


In a world driven by success (whatever that may mean), things not going in the direction they were expected to is commonly called "failure", which instrinsically means one needs to learn how to deal with "failure". I call it “adapting to the circumstances”. Events are what they are. It is the way we perceive them and adapt to the changes they bring about that ultimately defines our reality. Success is, therefore, inevitable

***


Num mundo movido pelo sucesso (seja o que for que isso significa), as coisas não correrem como esperado significa "falha", o que requer aprender a lidar com o "fracasso". Eu chamo-lhe "adaptação às circunstâncias". As coisas são o que são. É a forma como as percecionamos e nos adaptamos às mudanças que elas trazem que define, em última instância, a nossa realidade. O sucesso é, por isso, inevitável.  


quarta-feira, 11 de novembro de 2015

A Possibilidade do Impossível

Quando tens um sonho... que parece impossível... mas que escolhes realizar, lembra-te: deixa-o LIVRE - sem nada que crie qualquer barreira à possibilidade do impossível <3



terça-feira, 10 de novembro de 2015

Creativity

There are times when creativity is unleashed in such a powerful way that ideas about new things to create, or new ways of doing old things come forth in an endless torrent.

Then the dilemma is no longer not having any creative ideas! It is: how do I do them all?

Well you don't! It is like a garden filled with flowers. Some you just admire as they bloom and eventually wither, leaving their seeds in the ground. Others you pick and take home with you to surround yourself with their simple beauty.

Then again, in this context, it is better to be spoilt for choice than to have nothing to choose from, but it does require one to focus so that the button of the rose can bloom, petal for petal, maturing into a magnificent flower :)


sexta-feira, 6 de novembro de 2015

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Pre-diction / Pre-visão

There is no way we can entirely predict the way things are going to happen. Nevertheless, we can predict the way we choose to live them. 

In Are you a Professional Worrier? Workshop, by T. C. Aeelah
***

Não há forma de prevermos completamente como as coisas vão acontecer. No entanto, podemos prever a forma como as escolhemos viver.

Do Workshop Como Des-Pre-Ocupar de T. C. Aeelah







quarta-feira, 4 de novembro de 2015

O Saber sem ter que Conhecer

Existem algumas diferenças fundamentais entre a Sabedoria da Essência, geralmente chamada de Voz do Coração e o Conhecimento da Mente ou Personalidade.

Uma delas é que a mente depende da memória, é construída através do que apreendemos do mundo à nossa volta, dos outros que contribuem para a nossa educação, das situações que vamos vivenciando. Algumas dessas perceções e aprendizados são retidos, outros esquecidos, mas sempre armazenados num qualquer ficheiro, caso venham a ser necessários. A forma como são vistos é no entanto mutável, dependendo do nosso estado emocional no momento da criação da memória e, também, do nosso estado emocional aquando da sua recordação.

A Sabedoria da Essência, por outro lado, é não emocional e está permanentemente disponível, não precisando de ser retida pois não pode esquecer-se, uma vez que não depende da memória. Não é aprendida mas sim sabida. Por outras palavras, é algo que se sabe sem ter que ser explicável, mas que só pode ser sabido quando nos permitimos silenciar os ficheiros da memória e deixamos de ter que explicar tudo.

Talvez por isto tantos fujam da Sabedoria da Essência – é que uma vez aceite não há como apaga-la ou destrui-la, pois por ser intrínseca está para além do conhecimento. O facto de não poder ser apagada faz com que, quando sabida e não respeitada, cause tremendo desconforto e ao contrário dos eventos desconfortáveis apreendidos através do conhecimento, não pode ser ignorada ou armazenada.

O conhecimento da mente é póstumo. O da Essência ocorre apenas agora. Mas não se desvanece…

Quando se está a viver a partir da mente é possível prever resultados, porque todas as decisões da mente derivam do passado, logo os seus resultados são limitados ao que já ocorreu em combinações diversas.

Pelo contrário, quando se opta por viver a partir da Essência não há resultados específicos previsíveis, porque eles ainda não estão criados. Ainda assim há resultados seguros generalizados, como sejam a simplicidade, a harmonia, o equilíbrio, a compaixão…

Quando se decide tomar o caminho da Essência não se sabe nada de antemão mas vai-se apreendendo tudo à medida que se vai permitindo que ela mostre o caminho, vivenciando-a passo a passo. Sabe-se, em contrapartida, tudo o que é preciso saber a cada momento. Nem mais, nem menos.

Por isso é tão mais fácil tomar decisões a partir da mente. Há a ilusão de que se sabe alguma coisa, pois deriva da memória do que já foi aprendido. A mente vai querer sempre agarrar-se ao que já conhece por parecer mais seguro, sendo que ela é responsável por criar todos os mecanismos de proteção necessários à sobrevivência.


Confiar na Voz do Coração é deixar de ter que ser protegido por se estar inteiramente seguro 100% do tempo no sereno regaço da Essência que Sabe sem ter que conhecer, ainda que seja a mãe de todas as cores do Universo. 




terça-feira, 3 de novembro de 2015

Shine and Embrace / Brilha e Abraça

Don't ever be afraid to shine. Glow. Sparkle. Embrace life so that it can embrace you.

In cultures and places around the world... and even right here, the consequence of not shining might seem safe, even saving one's life in several circumstances, but all in all it doesn't save one's life, it keeps humans barely alive, surviving and serving the questionable purposes of other's power games.

***
Nunca tenhas medo de brilhar. Brilha. Abraça a vida para que ela te possa abraçar a ti.

Em culturas e lugares ao redor do mundo... e até aqui mesmo, a consequência de não brilhar pode parecer segura, salvando-nos até a vida em várias circunstâncias. Mas no fundo não salva vidas, mantém-nos meramente em registo de sobrevivência, servindo os propósitos questionáveis dos jogos de poder dos outros. 

T. C. Aeelah


segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Keep what serves you now / Guarda o que te serve agora

Muitas vezes esquecemo-nos de apreciar a abundância que temos ao nosso redor. Estas flores por exemplo, se te concentrares apenas nelas por uns instantes, que é que te fazem sentir? Guarda o que te serve agora. Larga tudo o resto :)

***

Many times we forget to appreciate the abundance all around us. There flowers for instance, if you concentrate only on them for a while, how do they make you feel? Keep what serves you now. Let go of everything else :)

T. C. Aeelah