segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Manual O Fluxo da Abundância 19 - Final

Magia em Movimento

Exemplos reais
Abundância 1:
Há alguns dias aceitei o convite da minha Essência para que eu me permitisse ter um dia e noite completos, sem nada que fazer, sem ninguém para tomar conta, sem obrigações, apenas amar estar comigo e desfrutar de cada momento.
De início foi desafiante. Não me parece que alguma vez me tenha dado tanto tempo de uma vez só – um dia completo e uma noite e parte do dia seguinte.
Tinha algumas contas para acertar, cartões de crédito e pagamentos de crédito a caírem nesse dia, mas a minha Sabedoria disse “não, hoje é só para nós, não te preocupes com absolutamente nada, apenas SÊ”. E assim fiz.
 Na manhã seguinte fui ao banco para pagar o crédito (em atraso) e a prestação do cartão (também em atraso). Dirigi-me à caixa e perguntei quanto era necessário para os pagamentos em atraso. O funcionário disse-me “está tudo pago, tem 1100€ na sua conta e o cartão e empréstimo já foram ambos debitados”. Fiquei estupefacta! Ocorrera que o pagamento pelo qual estava à espera há algum tempo havia caído finalmente na minha conta no último dia do ano! Por isso nem sequer teria que ter ido ao banco. No mesmo dia, um outro valor que tinha tido numa conta poupança e que tinha decidido movimentar (as contas poupança são energia estagnada), também caiu na minha conta. Senti um imenso acelerar de energia por todo o corpo, de tal modo que nem consigo verbalizar como me senti. Mais uma vez a minha Essência estava certa.
Abundância 2:
Na véspera de Ano Novo pela manhã fui ao supermercado para ir buscar algumas coisas que eu (pensava que) precisava. Pensava que precisava de fiambre, para as pessoas comerem para o pequeno almoço. Normalmente compro fiambre de peru ou de frango, mas não havia. Comprei fiambre de porco. A minha Essência estava a desafiar-me para compreender que na verdade não importa. Por isso levei o que havia. Por fim ninguém precisou de comer o fiambre porque sobrou tanta comida da festa de ano novo que comemos para o pequeno almoço, almoço e jantar e ainda para o pequeno almoço, almoço e jantar dos dois dias seguintes!  
Também pensei que precisava de fruta. Mais tarde, alguém trouxe para a festa uma taça cheia de fruta (toda a fruta que eu tinha comprado e ainda mais variedades) com fondue de chocolate…
Depois pensei precisar de champanhe, mas a minha Essência disse-me para não comprar porque alguém traria o champanhe. E sabes que mais? Ainda tenho não uma, nem duas, mas sim três garrafas por abrir no frigorífico…
Depois pensei precisar de pão. A minha Essência também me avisou que não o comprasse mas eu disse, “desta vez vou fazer a escolha humana” e comprei o pão. Bem, toda a gente trouxe pão nessa noite e havia tanto pão que ainda tenho algum no congelador e 4 ou 5 pessoas levaram pão para casa para eles e para as suas famílias comerem ao pequeno almoço. Até diziam na brincadeira que a minha casa parecia uma padaria, porque havia tanto pão!!! Foi como se me estivesse a ser mostrado que mesmo quando penso da minha própria forma humana, sem ouvir a minha Voz Interna, recebo mais do que o suficiente do que pensava precisar – havia pão para comer, para guardar e para partilhar!
Abundância 3:
Há dias estava a pensar que gostaria de ter um vestido novo. Alguns dias mais tarde uma amiga minha trouxe-me um presente: era um vestido novo. Na verdade isto acontece-me diariamente com todo o tipo de coisas, até com sensações, oportunidades e coisas do género.
Abundância 4:
Precisava de umas colunas de som novas para ligar ao meu PC. Pensei em comprá-las. No entanto uma amiga minha disse-me para não as comprar ainda porque talvez me conseguisse umas gratuitamente. Conforme estava a ver de umas coisas minhas nuns armários em casa da minha mãe, ali estava um conjunto de colunas novas, e não eram dela nem tão pouco ela precisava delas.
Abundância 5:
Um amigo meu tinha que mudar de casa. Foi ver um apartamento muito bom num local que lhe agradou imenso. Custava 750€ mas ele só podia pagar 550€. No entanto ele disse isto mesmo ao proprietário. Não procurou outro espaço. Um mês mais tarde o proprietário ligou-lhe e disse-lhe que o apartamento era para ele.
Abundância 6:
A minha amiga Luisa, a mesma que fez as ilustrações para este livro, sentia que precisava de se afastar de tudo por um tempo, pois havia decidido parar com a quimioterapia e radioterapia que havia iniciado há uns meses, independentemente das consequências. Não queria mais suportar todos os efeitos secundários e perder totalmente qualquer qualidade de vida que ainda lhe restasse. Alguns dias mais tarde, uma amiga dela do Brasil ligou-lhe e disse-lhe que lhe queria oferecer uma viagem de 2  semanas ao Brasil como prenda de anos. Incluía comida e alojamento. Ela acabou por ficar um mês porque enquanto lá esteve ainda deu um workshop e fez alguns atendimentos que lhe permitiram pagar a diferença para regressar mais tarde e desfrutar de mais uns dias por lá. E assim cumpriu também mais um dos seus sonhos que era voar de parapente.

Abundância 7:
Eu precisava de trocar de carro porque o meu era a gasolina, que está a um preço elevado em Portugal, e tinha demasiada cilindrada para as minhas necessidades, além do que tinha um crédito para pagar sobre o carro que me pesava bastante todos os meses.
Um dia eu e a minha mãe fomos a casa de um amigo que lhe sugeriu trocar de carro. Ela considerou o assunto e decidiu passar o carro dela para mim, e entregar o meu no stand para troca pelo seu novo carro. O crédito foi liquidado, o carro com que fiquei gasta menos de metade do combustível que o anterior, as despesas com seguro, mecânico, portagens e selo são suportadas pela empresa para a qual trabalho pois o carro está em nome da empresa.
O que eu escolhi foi meramente trocar de carro para um mais económico e eliminar o crédito mas recebi mais do que isso. Há sempre mais.
***
Poderia continuar a partilhar mais e mais episódios de abundância, pois são imensos. Em vez disso convido-te a visitar o meu blogue que atualizo regularmente com as magias do dia-a-dia: http://inpassionpublications.blogspot.com.

Bem haja a todos vós.




Este manual é teu. Usa-o com consciência, respeitando a abundância que há nele e em ti, momento a momento. Obrigada.  


sábado, 27 de fevereiro de 2016

Manual O Fluxo da Abundância 18

Conclusão


A tua mente vai dizer-te que só podes estar louco/a! Vai dizer-te que não percebe nada desta forma de criar. Aliás, que não percebe nada deste Manual. Vai perguntar-te como, afinal, é que se põe isto tudo em prática. Vai desafiar-te a provares que isto funciona. A tua mente vai sentir-se baralhada e de certa forma posta de parte, porque esta forma simples de criar não é mental, é intuitiva. É do coração, não da cabeça.

À medida que vais silenciando a mente com a prática de Respiração Consciente / Meditação, ela vai-se sentindo posta de parte. De repente já não precisas dela como precisavas. De repente não é ela que manda, és tu que escolhes. De repente os seus avisos não te movem e os seus medos não te assustam. De repente ela fala mas tu pedes-lhe que se silencie, ela aconselha mas tu não lhe dás ouvidos.

A mente fica preocupada. Como vais viver sem que ela te guie?

Convida-a. Convida-a a expressar-se, sem no entanto lhe dares conversa, mas ouve-a. E depois convida-a a viver de uma forma nova, a ser-te útil de uma forma nova, que é na verdade a forma que preenche o seu propósito. Organizar, fazer listas, fazer contas, aprender conceitos teóricos que servem alguma aplicação prática na vida, recordar o que é essencial, tabelar, arquivar… Ela é e será sempre muito útil, quando posta ao teu serviço – tu, o/a criador/a da tua vida. Não a menosprezes, nem rejeites. Aceita-a e convida-a a participar deste novo TU que nasce à medida que fores pondo em prática todos os exercícios aqui sugeridos. As mudanças vão ocorrendo naturalmente, fruto da tua tomada de consciência, à medida que te vais questionando sobre o que te serve e não te serve mais e tudo o resto que aqui se propõe. A tua vida vai mudando por si mesma à medida que te vais observando e vais observando a tua realidade, fazendo escolhas conscientes.

É um processo de mudança natural e tão simples quanto permitires que seja.

É assim que acontece. É assim que este Manual “acontece” na tua vida.

Repito: diverte-te! J Não há como errar porque está sempre tudo certo, mesmo quando parece errado. É a vida a acontecer de ziliões de maneiras diferentes. Celebra a sua diversidade.

Outra coisa: recorda-te sempre que as escolhas que fazes são só para ti. Não podes escolher pelos outros. Eles são os seus próprios Mestres, ou serão, se e quando se sentirem impelidos a reconhecer-se.

Mesmo assim, e sabendo que vivemos no mundo uns com os outros, como é que as pessoas que estão em sintonia contigo se mantêm ou entram na tua vida e as que não estão saem? É muito simples. Tu escolhes o que queres para ti, e tudo o resto se acomoda por si só, de acordo com a tua escolha. Por exemplo, se escolhes vivenciar serenidade, depois de teres olhado para dentro de ti e visto e transformado o que te removia a serenidade, tudo na tua realidade estará de acordo com essa escolha: as situações, as pessoas, os lugares. É mesmo assim tão simples.

Em relação à interação com os outros, podes até escolher relacionar-te com a parte criativa de determinada pessoa, ou com a parte confiante e honesta de outra, e assim por diante. Até isso podes escolher, porque todos têm diferentes partes e tu podes escolher não jogar determinados jogos e criar relações produtivas ao dirigires-te às partes das pessoas que melhor servem propósitos produtivos. O benefício, claro está, é de ambos, mas a escolha consciente foste tu que a fizeste.

Brinca com as escolhas. Podes sempre transformar uma escolha que concluas que afinal não te serve. Brinca diariamente com as escolhas, definindo como queres vivenciar os teus dias. Não ao pormenor, mas em traços gerais. Por exemplo “hoje escolho experienciar Alegria e Espontaneidade no meu dia”. E segue escolhendo e experienciando na prática o resultado das tuas escolhas…


Podes claro, também brincar com escolhas concretas como por exemplo “escolho comer isto”, “escolho ter ______”, pode ser seja o que for, uns determinados sapatos, roupas, carro, casa, etc. “Escolho fazer______”; “Escolho ter x experiência”. Experimenta escolher ao pormenor, e experimenta deixar a escolha mais aberta. Por exemplo “escolho o carro de x marca, cor, cilindrada, etc, ou simplesmente “escolho um carro económico, com 5 lugares e 5 portas, novo (ou semi-novo)…”.  E depois assiste à materialização. Não é necessário anotar tudo, desenhar, afixar na parede. Escolhe e pronto! Já está. Larga e confia. Mas  confia mesmo. Sem limites. Como é que se vai materializar? Não sei. Nem tu. Não adianta pensares sobre o assunto. Entretanto VIVE, CRIA, CELEBRA, AMA, SORRI, AGRADECE, SÊ!


sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Manual O Fluxo da Abundância 17

Sonhos, Esperança e Realidade


Nós somos todos de facto excelentes criadores. Não importa o teor do que estamos a criar. Sem julgamento, olha à tua volta e vê lá o que somos capazes de criar.

Alguém disse que “o sonho comanda a vida”. Diz-se que é preciso termos sonhos, que devemos acreditar nos nossos sonhos, ir atrás dos nossos sonhos, para podermos viver os nossos sonhos.

O sonho será então o desejo, a paixão criativa que nos leva a querer materializar algo na nossa realidade, o fogo ardente da vida em ação. Fantástico.

Então – desejamos/ temos paixão por criar algo, e em alegria e simplicidade, com total confiança no postulado de que “tudo é possível” permitimos que essa criação encontre forma de se manifestar no plano físico, trazendo-nos as pessoas, lugares, meios para que assim seja.

O problema é que muitas vezes não é este o caminho que escolhemos para manifestar os nossos sonhos. Muitas vezes começamos por colocar-lhes obstáculos logo de início, limites que justifiquem porque é que esse é um sonho difícil de realizar. Ideias complicadas sobre como conseguir pô-lo em prática. Medos sobre todos os possíveis entraves e até muitas vezes sobre o resultado final. E com tudo isto vamos colocando o sonho cada vez mais longe do nosso alcance. Todavia, continuamos a sonhar poder realizá-lo, um dia. Vamos colocando esse dia sempre algures lá mais para a frente. E esse sonho vai-se tornando preso, atolado nas nossas limitações. Vai ficando cada vez mais intangível, lá longe, algures. E nós vamos sonhando até que acabamos por perder noção do propósito do sonho, do que nos moveu a sonhá-lo. Mas vamos mantendo o sonho porque é preciso sonhar com algo. É preciso para nos dar alento, algo rumo ao qual almejar. É preciso para justificar a nossa vida, o nosso propósito, o nosso esforço diário.

Este processo encerra em si muita energia. Energia estagnada, mas muita energia. E que tal se diluísses esse sonho? Assim poderias soltar a energia presa e tê-la disponível para criar algo de verdade. Poderias sonhar um sonho novo e confiar nele e deixá-lo acontecer na tua vida.

É simples. Basta uma simples escolha, um simples sopro e… desaparece. E sentes um peso enorme a sair de cima de ti. O peso que tu próprio/a lá colocaste com a busca de realização do sonho irrealizável. E sentes-te leve e flexível e com força renovada.

Quem diz um sonho diz todos. Todos os que estão algures presos nos castelos das tuas impossibilidades. Ffffffffff! Sopra. Permite que se diluam no lago de tudo o que És e sente-te nascer de novo!

Agora podes escolher confiar no que escolhes manifestar e receber o resultado das tuas escolhas.

Sobre a Esperança. Bem, o que tenho a partilhar sobre a Esperança é que por mais belo que possa parecer o conceito, não passa de… Esperança. É da mesma qualidade desses sonhos que acreditas serem irrealizáveis. E se em vez de Esperança tivesses CONFIANÇA? Afinal de que é que estás à espera? Esperança é estar à espera!

Já que estamos “com a mão na massa” porque não largar também todas as promessas, juras e votos que fizeste até hoje? É que estas intenções, criadas com extremo zelo e paixão, têm uma força enorme e os aspetos que criaste com eles influenciam, e muito, a tua realidade. Podes até fazer determinada escolha hoje, mas se está por aí pendurada no teu campo energético a energia da jura que nunca mais farias algo, nunca mais isto ou aquilo, se prometeste qualquer coisa para todo o sempre, se fizeste um voto de pobreza ou castidade, por exemplo, isso impede que a energia flua naturalmente para te servir. Há um bloqueio, colocado no tua realidade por ti mesmo/a, para impedir que algo que vá contra esses votos, promessas e juras se realize. Por isso faz-te um grande favor e larga tudo isso. Não te lembras de ter jurado, prometido ou feito votos de coisa alguma? Não importa se te lembras ou não, pois estes persistem vida após vida, por isso mesmo votos, juras e promessas feitas noutras vidas persistem até que lhes digas que não são mais necessárias. Não acreditas em reencarnação? Não importa. Também não perdes nada em soltar o que é fixo para fluidificares a tua energia, e consequentemente a tua vida.

Como é que se faz? Com muita gratidão pelo propósito cumprido por todas as juras, promessas e votos que fizeste (ainda que não te lembres exatamente de todos/as, e sem ser preciso especificar nada), convida todos/as a retornarem a Casa, em ti, o seu criador, e permite que se diluam na tua Essência, tornando toda essa energia novamente disponível, pura e límpida. Tal como com os sonhos. Fffffffffff, sopra, e já está. Agora podes escolher confiar em ti e nos teus pensamentos, comportamentos, escolhas, não necessitando mais de colocar esses limites do “para sempre” e “nunca mais”. Afinal és responsável pelas tuas criações, certo? E confias em ti, certo?

A tua realidade está Aqui Agora. Não estará aqui amanhã. Está aqui hoje! Vá, não gastes mais energia que é tempo, que é espaço, que é dinheiro, que és tu naquilo que esperas que venha a ser. Vive o que é e transforma o que não te serve. Vive o que é e escolhe o que te serve. Vive o que é e aceita o que escolhes. Vive o que é e cria os teus sonhos AGORA. Depois sai do caminho. Não entupas a sua realização com dúvidas, dificuldades, limitações e tal e tal.

Lembras-te da fórmula? Escolhe, confia e recebe. Simples.

Não. Não vais ficar deitado/a no sofá à espera. Vais viver a vida plenamente. Vais participar das tuas criações momento a momento, assistindo à magia em movimento! Vais constatar por ti mesmo/a o resultado das tuas escolhas. Vais desfrutar delas. Vais expandir, brincar, dançar com a VIDA!


Diverte-te J




quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Manual Fluxo da Abundância 16

Como acontece a Magia?

Ora aqui vai.

Simples. Aliás, a simplicidade é a chave. É por isso que parece ser tão difícil apenas SER: nós gostamos de complicar!

Primeiro: Já fizeste a tua escolha acerca da VIDA? Por outras palavras, escolheste verdadeiramente VIVER?
Não encares isto de ânimo leve. Para. Olha para dentro de ti e vê. Já alguma vez escolheste realmente VIVER?
Tendemos a mover-nos através da vida porque estamos aqui, não porque realmente queremos estar aqui! É chamado de sobrevivência e a passagem do modo de apenas sobreviver para realmente viver é a primeira e maior mudança em direção à magia da vida… O que se passa é que a vida não te pode dar nada se não estiveres a aceitar vivê-la… estar nela… participar nela… dizer-lhe o que escolhes… brincar com ela…

E escolhe viver não porque os teus filhos precisam de ti, porque o teu marido ou mulher precisa de ti, porque os teus amigos precisam de ti, porque os teus pais precisam de ti, porque o teu trabalho precisa de ti, porque a Terra precisa de ti, porque tens uma Missão, porque vais salvar o Mundo… Mas sim e apenas porque aceitas finalmente receber esta magnífica dádiva que te foi concedida e tens estado a rejeitar, a fingir que não tens! Porque finalmente escolhes respeitar a vida e tudo o que ela contém, incluindo tomar conta do teu corpo – o Templo Sagrado que habitas – senão a Vida não pode habitar-te!... E tu não podes receber o que escolhes se não estás em casa… e não podes dar esse SER ÚNICO e ESPECIAL que ÉS de volta à VIDA – não podes partilhar os teus tesouros únicos… não podes SER… se não estiveres em CASA.

O senão é que quando realmente escolhes VIVER, a morte não te pode salvar! Já não podes desejar morrer ou desaparecer sempre que as coisas ficam difíceis! Finalmente assumes-te, assumes o teu corpo, o teu espaço, o teu tempo, o teu lugar na orquestra perfeita da existência. Acabaram-se as fugas – é hora de BRINCAR!

Quando escolhes viver e aceitas que estás vivo/a – dás-te conta de que tens tudo o que procuraste, tudo o que poderás jamais necessitar – está em ti de todas as formas e feitios. É aí que começas a ver os milagres e a viver o teu PROPÓSITO.

Segundo: em cada momento tens a escolha entre LUTAR contra ou COOPERAR com… o que escolhes?

A lei da sobrevivência obedece ao princípio de “luta ou fuga”. Ou lutas contra o que consideras pôr em perigo a tua sobrevivência, ou foges desse perigo iminente, fingindo que não te pode magoar – por isso alienas-te de sentir amor e acreditas na ilusão do medo – na verdade, alienas-te da VIDA, porque parece demasiado dolorosa para suportar, por vezes. Mas quando constróis os teus muros, mantendo o sentir do lado de fora, fechas-te para tudo – também para as sensações consideradas boas. E então andas por aí dormente, acreditando que estás a viver – mas estás apenas a sobreviver.

Cooperar com a vida é abrires-te para ela – para toda ela, não apenas para as partes que consideras que valem a pena. É seres suficientemente ousado/a para mergulhar nela, mesmo quando não fazes ideia do que vais encontrar! Ou seja, sabes tudo acerca da sobrevivência, sabes quais são os resultados que normalmente traz… mas se ainda não escolheste Viver, dás-te conta que não sabes nada sobre Viver, por isso temes o que possas vir a encontrar. Não há forma de o fazeres se não saltares! Vá… vale a pena. Mesmo!

Terceiro: mas antes de te abrires, por favor considera – DRAMA ou SIMPLICIDADE? De facto é o mesmo que LUTA ou COOPERAÇÃO? Escolhes viver num campo de batalha ou num recreio?

A adrenalina é uma droga auto criada extremamente viciante. Não custa dinheiro algum mas custa-te a tua VIDA e tudo o que ela pode conter!!! O drama é a principal fonte de adrenalina e é fantástico para nos recordar que estamos vivos, a sobrevier às dificuldades, à luta, ao esforço, somos fortes… ainda cá estamos! Uma vez que ainda cá estás, porque não usas o tempo precioso que tens para tornar as coisas simples, só para variar… e vê que resultados isso te traz? Tens medo de te aborreceres? Posso assegurar-te de que quando escolhes VIVER e abres os teus sensores do SENTIR a todo o vapor, a vida torna-se INTENSA! Muito intensa! A ausência de drama é muito mais intensa que o drama. É a vida em ecrã panorâmico, Alta Definição, Sistema Surround, a mais Alta Tecnologia a que poderás jamais aceder! E terás mais energia que nunca, porque não a estás a desperdiçar na luta pela sobrevivência, que dá bastante trabalho, como tu e eu sabemos!

Quarto: SIM ou NÃO?

Olha para as conversas diárias da tua mente. Quanta rejeição existe nelas? Quantos nãos proferes? Quantos impossíveis encontras? Quantas portas fechas? Quantas oportunidades te negas? Quantas pessoas excluis?
Não se trata de um jogo mental de substituir o NÃO pelo SIM! Isso pode parecer funcionar a um nível mais superficial, mas lá bem no fundo a “merda” (desculpa a expressão) permanece lá!! Dizer SIM significa passar do modo de rejeição para o modo de aceitação / cooperação – dizer SIM à VIDA. “Sim, escolho Viver” poderia ser uma espécie de mantra, inicialmente, apenas para o considerares o tempo suficiente, até que se torne uma escolha real e firme, bem no fundo de ti. É aí que se dá realmente a transição do Não para o Sim.

Quinto: PREOCUPAÇÃO ou BRINCADEIRA?

Sim, é isso mesmo. Podes preocupar-te e perder-te nessa preocupação ou podes brincar com cada experiência conforme ela se te apresenta e conforme te sentes nesse momento (e deixar que a solução te mostre o seu próprio caminho). Quando te preocupas, pões em causa as tuas capacidades mágicas para resolver problemas! E como és um mestre em criar problemas, também és mestre em resolvê-los, claro está! Um não poderia existir sem o outro. Queres concentrar-te no problema ou na solução?

Sexto: e por ultimo, mas não menos importante – Shhhh… SILÊNCIO!

Para de poluir o teu mundo com preocupação, stress, ansiedade, drama, medo – PEQUENEZ!!!!

Sim. O SILÊNCIO permite-te ver a tua GRANDEZA – e és tão grande que pode ser assustador aceitar isso inicialmente. Mas mais tarde ou mais cedo é inevitável que assumas a tua grandeza. É mesmo assim que são as coisas. É QUEM TU REALMENTE ÉS! Podes continuar a jogar o jogo do fingimento por quanto tempo queiras, a eternidade nunca acaba – é a respiração compassiva de TUDO O QUE É, a assistir ao teu filme, não importa qual seja, sabendo que tudo está sempre bem em toda a criação, simplesmente porque quem tu és nunca te pode ser retirado – É – TU ÉS!

Respira SILÊNCIO e descobre o teu SER VERDADEIRO.

E é isto. É assim que a MAGIA ACONTECE.




Exercício de Reflexão:

 (como sempre, para estes exercícios de reflexão usa o teu caderno ;) )

Já alguma vez escolheste realmente VIVER?


Em cada momento tens a escolha entre LUTAR contra ou COOPERAR com… o que escolhes?


DRAMA ou SIMPLICIDADE - escolhes viver num campo de batalha ou num recreio?

SIM ou NÃO?

Olha para as conversas diárias da tua mente. Quanta rejeição existe nelas? Quantos nãos proferes? Quantos impossíveis encontras? Quantas portas fechas? Quantas oportunidades te negas? Quantas pessoas excluis?



Queres concentrar-te no problema ou na solução?



quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Manual Fluxo da Abundância 15

A Fórmula para além da Fórmula

Então o que se passa é isto:
Escolhe – Confia – Recebe
Sim, é verdade, funciona e é muito muito simples.
Quando começas a permitir que isto ocorra, a ver como realmente funciona, a constatar na prática que é mesmo assim que tudo ocorre, a consequência natural é apaixonares-te – invariavelmente. Não, não por outra pessoa, embora esse possa ser um bónus extra, quem sabe – mas por TI! Pela tua Essência, por todo o teu Ser, pela tua Divindade, pela tua Humanidade, pela Vida, por tudo, por todos! Aos poucos tornas-te Amor. Largas os julgamentos, as vergonhas, as culpas. Paras de te queixar e resmungar. Deixas de estar farto/a e passas a aceitar largar os jogos que eventualmente não te divertem com toda a naturalidade. Paras de desejar estar noutro lugar, de querer viver uma outra vida, porque começas a viver a vida que realmente estás a escolher viver!

Nota: enquanto te sentires farto/a, te apetecer resmungar acerca da tua vida, desejares estar noutro lugar e viver uma outra vida, vais ficar com tudo igualzinho porque este teu estado de insatisfação apenas se valida a si mesmo, mantendo-te precisamente nesse estado!

Voltando ao momento em que te apaixonas… por ti. Respeitas-te como nunca antes, e por isso respeitas os outros como nunca antes, e é daí que as tuas escolhas derivam – não da tua vitimização – mas da tua grandeza, e conforme a reconheces em ti mesmo/a, reconhece-la em todos.

A grandeza não cabe na pequenez. Quando a grandeza se instala, a pequenez desaparece instantaneamente. É uma gota no oceano – quando ela cai na vastidão do mar, deixa de ser uma gota e passa a ser o Oceano todo!

O Amor. Tu És Amor. O Amor é o passo número 1.

Quando És e Amas – És Amor. Surge esta fonte inesgotável de juventude que borbulha em ti. A Confiança torna-se natural.

O que resta em que não confiar?

Quando ÉS AMOR, o Medo desaparece…

É como entrar num quarto escuro onde parece que vês sombras, e quando ligas a luz vês que afinal as sombras não passavam da tua imaginação contando-te estórias de medo.

O medo alimenta a dúvida. A dúvida leva-te a acreditar na tua pequenez, nas impossibilidades, nas limitações.
Quando ligas as luzes do Amor tudo isso – puft! – desaparece!

Passo número 2: Confiança.
Escolhes em Amor, Confias e depois simplesmente Desfrutas de tudo! O Receber é um dado adquirido, uma vez que não existe dúvida! Daí que reste apenas desfrutar do resultado garantido das tuas escolhas – 100% do tempo! Sem qualquer desperdício de energia.

Passo número 3: Desfruta!
Em que é que isto beneficia o mundo?

Em primeiro lugar dispensas toda a gente de gastar energia a alimentar a tua vitimização e dispensas-te a ti da energia gasta com o esforço de manter o jogo da vitimização ativo na tua vida e na dos outros. Consegues avaliar a enorme quantidade de energia que é poupada e usada de forma apropriada para o bem maior de cada um e consequentemente para todos?

Em segundo lugar, lideras pelo teu exemplo. Se tu consegues fazê-lo, todos o conseguem fazer. E se cada um assim o escolher, também pode viver assim. Mas é mesmo isto que todos querem? Tu não fazes ideia, e não tens o direito de interferir com as realidades dos outros.

Por isso vive a tua vive e deixa que os outros vivam a deles, e tudo se acomodará por si mesmo, no seu próprio ritmo perfeito.

Em terceiro lugar, conforme vives a tua vida, honrando cada criatura viva, em gratidão por tudo e por todos que se atravessam no teu caminho, em simplicidade e respeitando o fluxo natural da existência, abres novas portas de consciência e novas sendas que permitem um vasto leque de potenciais para todo o planeta – uma infinidade de possibilidades que derivam do Amor, da Paz, do Equilíbrio, da Harmonia, da Alegria, da Abundância, da Pureza, da Serenidade… Agora diz-me, consegues pensar nalguma dádiva maior para dar ao mundo?



terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Manual O Fluxo da Abundância 14

A Paixão de Viver


Muitos seres humanos se queixam que as suas vidas são monótonas, rotineiras e desinteressantes. Outros, pelo contrário, se bem que também detestam as suas vidas, passam o tempo a cambalear de um drama para o outro, totalmente atordoados pelo sofrimento.

Outros até têm vidas interessantes mas falta-lhes sempre algo, não são tão livres como gostariam, ou tão… como gostariam, a lista poderia continuar.

E há uma minoria de seres humanos completamente satisfeitos com a sua vida, vivendo plenamente a satisfação de ser e estar aqui.

Satisfeitas as necessidades básicas de alimento, abrigo e alguma espécie de conforto, ousaria dizer que todos gostariam de pertencer a esta última categoria e a receita é bastante simples… bem mais simples que tudo o resto.

Primeiro: ESCOLHE!
Escolhe o que realmente queres na vida… Sim, sim gostarias, mas não dá porque isto e aquilo e mais aqueloutro. Para! Não disse “pensa como vais conseguir o que escolhes”, não disse “pensa em todos os entraves e limitações para conseguires o que queres.” Disse: “Escolhe.” – CLARAMENTE E SEM MEDO.

Segundo: CONFIA!
Sem expetativas e sem dúvidas. A dúvida mata a possibilidade. A expetativa mata a criatividade.
Que mudanças estás pronto/a a fazer na tua vida para enfim confiar? Para enfim escolher?

Terceiro: RECEBE!
Até que ponto estás aberto/a a aceitar receber o que escolheste?

Se estás a acreditar em todo o tipo de limitações, a pensar que a vida é uma coisa que te acontece e não algo que fazes acontecer, que não mereces receber, que tens que tratar de toda a gente menos de ti… a tua vida será sempre algo sensabor ou com sabor amargo, agridoce, por vezes, mas raramente muito doce.

Convida a paixão a entrar na tua vida. Permite-te saboreá-la, senti-la, nutri-la. Permite-te largar o que já não te serve com toda a gratidão pelas experiências que tiveste com isso que agora largas, e permite-te escolher criar algo novo na tua vida… com vontade, coragem, determinação, foco, liberdade, alegria, pelo prazer de brincar a esta bela e singular melodia que é A DANÇA DA VIDA.

Exercícios de Reflexão


Que mudanças estás pronto/a a fazer na tua vida para enfim confiar? Para enfim escolher?


Até que ponto estás aberto/a a aceitar receber o que escolheste?





segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Manual O Fluxo da Abundância 13

Pontos-chave – Reflexão e Reconexão


Nota: A seguir a cada ponto há algum espaço para tomares nota das tuas reflexões. Sugiro que pegues em cada ponto chave por si mesmo e que o consideres ao longo de um dia, estabelecendo ligação entre o que é dito, o que tu sentes e o que vives na realidade. Assim ser-te-á mais fácil relacionares estes pontos com a vida prática do dia a dia e percecionar o que eles podem trazer-te de útil. Os pontos estão divididos por temas para facilitar o entendimento e “digestão” dos mesmos.

Realidade:
·         A Vida na Terra é uma Ilusão muito Real. Ou seja, tudo depende daquilo que criamos com as nossas crenças e escolhas, e tudo pode mudar dependendo disso.

·         O Futuro é o Passado curado...no Agora. Para curar o passado é necessário aceitá-lo totalmente – Compaixão. Perceção, aceitação, integração e largar. Aceita que tudo tem propósito, não há fracassos. O Perdão é na realidade deixar ir, largar o apego a seja o que for, libertando-te a ti e ao que/ a quem seja que te mantiveste preso/a.

·         Quando nos tornamos criadores conscientes da nossa realidade passamos para além dos limites do Espaço e do Tempo – saimos da linearidade e passamos a ondular – dançar.
   
·         Sequência de Vida do nosso processo de desenvolvimento enquanto seres Humanos e Divinos: conhecer-se; experienciar-se; reunir-se; expressar-se e expandir-se.
  
·         Aquilo em que acreditamos é o que produz a manifestação da nossa realidade – a energia converge para nos trazer exatamente o que nós cremos ser “verdade”. A Energia serve a nossa intenção, permitindo-nos experienciar o que estamos a escolher ou a acreditar em dado momento.
  
·         O que estamos dispostos a aceitar que merecemos determina o que recebemos.

·         O medo de falhar limita o resultado das nossas escolhas.
  
·         Manter o jogo de “apenas o suficiente”, de certa forma motiva-nos a perpetuar o próprio jogo, a perpetuar a busca.

·         Quem está em busca permanente nunca está inteiramente aqui e agora.

·         Considera: não és só tu que atrais as situações – és tu que te sentes atraído por elas. Porque te atraem?

·         Considera: tens mesmo livre arbítrio – ou são os teus aspetos que determinam as tuas escolhas e experiências, desejos e necessidades?

·         Temos medo da nossa própria força – temos medo de ser diferentes da multidão.

·         Escolhe não a partir do desespero ou necessidade – mas a partir da paixão/ desejo, sem colocar limites, controlo ou expetativas.

·         Para se ser abundante há que sentir-se abundante.

·         Ser abundante requer estar Presente no corpo, conscientemente no Agora.

·         Somos todos intrinsecamente abundantes, é um direito que nos assiste.

·         Remover os limites permite-nos criar algo totalmente novo.


Energia:
·         A Velha Energia era Vibracional – Dual; A Nova Energia é Expansiva. Ela é totalmente espontânea e não obedece à previsibilidade.


·         A Energia nasceu quando saímos de Casa e buscávamos Quem Somos? Quem Sou Eu?; Como se volta para Casa?; Onde é Casa? Havia a necessidade de Busca, foi isso que nos trouxe até aqui e até a todas as nossas experiências. A Energia é o instrumento da Consciência para experienciar-se.

·         Nós não somos Energia mas sim Consciência.

·         A Nova Energia decorre da descoberta e aceitação de que já estamos em Casa, que Eu Sou o que Eu Sou, que Eu Sou Deus Também, da Re-União de todas as nossas partes e Expansão do que Era, daí que é Una, não Dual.

·         Toda a Energia busca resolução- quando não é gerida pela nossa escolha, manifesta-se aleatoriamente, consoante os nossos sistemas de crenças, que são na verdade escolhas inconscientes.

·         A Energia está inteiramente ao nosso serviço – apenas precisamos escolher e dizer de que forma queremos que nos sirva. Se não escolhemos ela manifesta-se na mesma, obedecendo às nossas crenças.

·         O Infinito retorna a si mesmo.

·         A Nova Energia não é duplicável – é única, ocorre sempre de forma original.

·         Se a Energia está estagnada... agita-a… literalmente! Mexe-te! Abana-te! Agita o dinheiro! Salta! Brinca!

·         A rotina mata a criatividade e vitalidade pois que estagna a energia – estagna-te a ti. Se a tua vida ou parte dela é rotineira repara porquê. Basta mudar pequenas coisas todos os dias para pôr a energia em movimento e criar algo novo dia a dia. Experimenta.

Manifestação:
·         Todos os potenciais possíveis já estão criados e disponíveis, basta aceder a eles e escolher qual queremos manifestar – é que os potenciais são apenas energia no seu estado puro.

·         Para aceder a esses potenciais é necessário expandirmos a nossa consciência para além dos limites protetores do que julgamos sermos incapazes de realizar, sentir, ser, criar...

·         Como se manifesta na Nova Energia: Paixão/Desejo; Alegria; Simplicidade. Não criar planos, objetivos ou expetativas – Ser absolutamente tudo no Agora. Confiança, Confiança, Confiança. Unidade interna.

·         Como nós procuramos manifestar a partir da dualidade: Força; Poder; Esforço – programação hipnótica.

·         Não é a mente que cria – a Mente não é criativa. O impulso criativo vem do Sentir – é mais profundo que a Mente. A Mente é apenas o instrumento que mecaniza o sentir. Não ter medo dos pensamentos, não são eles que mandam, mas sim nós – Eu Sou o Que Eu Sou.

·         A Lei da Atração não tem nada a ver com visualizações, orações, invocações ou qualquer tipo de programação mental mas sim com escolhas claras.

·         Muitas vezes o que queremos não se manifesta nesta dimensão por conflito interno e falta de confiança mas manifesta-se algures.