quarta-feira, 30 de março de 2016

O meu lindo terreno... /My beautiful Land

O meu lindo terreno (e casa)... que agora vendo a quem o souber apreciar

My beautiful land (and house)... which I now sell to whomever really appreciates it :)

Quando me passeio pelo terreno da casa que agora tenho à venda, é inevitável apaixonar-me uma e outra vez pela sua abundância permanente. A diversidade de plantas e flores silvestres, de árvores autóctones e de água, a amplitude de espaço, a pureza do ar e o silêncio... ahh o silêncio deste lugar.

When I stroll through the land of the house I now have for sale, I inevitably fall in love with is permanent abundance each and every time. The diversity of plants and wild flowers, of native trees and water, the ample space, the purity of the air and the silence... ahhh the silence of this place.

O ribeiro que corre ao fundo, o lago que enche de inverno e que sonhei transformar em piscina biológica, o pequeno pinhal onde sonhei alguns bancos de madeira e uma ou outra mesa para quedar por ali, os salgueiros, em particular aquele maior junto ao lago onde tantas vezes fiquei quieta a ler ou simplesmente a apreciar as tardes mornas de primavera, onde se partilharam tantos piqueniques e jogos de bola, onde serena meditei, envolta na pureza daquele lugar...

The stream that lies down the hill, the large pond that fills in winter and which I have dreamt of transforming into an organic pool, the small pine, oak and cork tree wood where I have imagined a few wooden benches and tables to sit and enjoy, the willows, particularly the large one near the pond where I have sat so often reading a book or simply reveling in the warm spring afternoons, where so many picnics and ball games have been played, where I have serenely meditated, enveloped in the fresh purity of it all...

Imaginava um caminho que desse a volta aos cerca de 2 hectares de terreno, onde se pudesse fazer uma passeio meditativo ou até dar uma volta de bicicleta.

I imagined a path that would go right round the 2 hectares of land, where one could go on a meditative journey or even ride a bike. 

Os dois poços de nascente, com água livre de calcário e a terra isenta de químicos há mais de 20 anos são tesouros a acrescer às mais valias deste lugar, ideal para um bosque e algum cultivo de permacultura. Espaço perfeito para criar ovelhas, cabras ou cavalos e quem sabe outros animais domésticos.

The two wells, both with spring water, free from lime and the land void of chemicals for over 20 years are sure treasures to add to the advantages of this land, ideal for a country wood and some permaculture vegetable gardening. The perfect space to create sheep, goats and horses and who knows even other domestic animals. 

E a casa, que precisa agora de mimo e cuidado, mas que tantos momentos especiais proporcionou. Uma casa que assistiu a muitos processos de transformação pessoal, em grupo e individuais, onde muito se celebrou em alegria e partilha. Onde se cresceu, educou, amou, mudou... Esta casa é tão sui generis que são infinitos os potenciais que ali se podem desenvolver, desde uma simples habitação com muitissimo espaço e luz, até as mais diversas possibilidades de negócio ou partilha em grupo. Só para dar alguns exemplos: ginásio, turismo de habitação, hostel, restaurante, livraria com biblioteca e casa de chá, SPA, centro terapêutico, centro de retiros, quinta pedagógica, escola alternativa para ensino doméstico, sede de associação ou cooperativa, projeto comunitário sustentável... e tanto tanto mais.

And the house, that now needs some care and nurturing, this house has been indeed very special in all of the moments it has been part of my life. It has witnessed many personal transformation processes, either in groups or individually, and it has been a berth of celebration and joy. So much growing up, education, love and change has gone by these walls... This house is so unique that its potentials are infinite, from a simples living space with much room and light, to the most diverse possibilities of business or group ventures. Just a few examples here: gym or holistic space, SPA, Bed and Breakfast, Hostel, restaurant, book shop with library and tea house, therapy centre, retreat centre, pedagogical farm, alternative home schooling premises, association of cooperative headquarters, communitary sustainable project... and so much more. 

E tudo isto a uns meros 7 quilómetros da lindissima cidade de Tomar e os mesmos sete quilómetros no sentido oposto, até à Barragem do Castelo de Bode.

And all of this just 7 kilometres away from the beautiful town of Tomar and the same seven kilometres the opposite way, to Castelo de Bode dam. 

Aqui ficam algumas fotos...
Here are some photos...














A Barragem de Castelo de Bode - a que chamamos de praia por estas bandas :)

The Castelo de Bode Dam, which we call beach around here :) 

A lindissima cidade Templária de Tomar

The very beautiful Templar town of Tomar



Para mais informações por favor envie e-mail para t_castilho@yahoo.com. Obrigada.


For more information please send me an e-mail to t_castilho@yahoo.com. Thank you. 

quinta-feira, 17 de março de 2016

Team Painting

Sharing the Painting Workshop we had yesterday at Linda's School, with our CAE Starter students. Thank you :)

“Painting is letting your emotions flow into colours and shapes”

When one looks at a street in Tomar, each person has their own image of it. Whatever is in each mind depends entirely on one’s individual perspective. In other words, when one observes reality the deatils that spring forth differ from individual to individual. This is due to the difference in moral values, attractiveness and emotional memories each one has. Thus, it becomes possible to transfer this same particular appraisal of reality onto a canvas, through the art of painting.
The interesting thing is when one is questioning one’s appraisal of reality it changes each moment, which leads to a creative process in each brush stroke – unique to the moment of its conception. Painting is communicating with oneself – there is a difference between what one conceives in one’s mind and what then appears on the canvas. Then again, what the viewer will appraise when the painting is finished, can be a totally different thing than what the painter had in mind.

Team painting

Each person has their own conceptual background. When belonging to a group, after a while, a new particular background is created which belongs to the group itself. This creates a new breeding ground for joint ideas and concepts.
Drawing on people’s emotions is a fantastic way to lead them to learn, for when one feels one expands. The passion behind any kind of learning or any other creative endeavour is what leads to success – be it whatever the reader may deem it to be.
The aim of this activity is for the group to feel that we belong to it and are somehow related in the way we are growing and expanding as individuals and, of course, as a group. This makes creation much richer than any individual could achieve alone.
I would like to ask you to take a few moments and recall the moments that have stayed with you since the beginning of this school year. What touched you? What stayed in your emotional memory? How do you feel now about belonging to this group? What particular emotions come up?
Do not discard any image as irrelevant. What crazy things are going through your mind now? This is how the artist starts conception of a masterpiece J
Feel free to create. It is much like creating word webs to brainstorm ideas, but now you are revolutionising your feelings – diving into them and making sense of that.
Now draw... and then connect your craziness to everyone else’s so that the painting whole, not a sum of parts – you need to feel into each other’s craziness too! “The whole is much more than the sum of its parts”.
Join the dots and enjoy!








sexta-feira, 11 de março de 2016

Humildemente Entregue...

Humildemente entregue ao sabor exótico da magia da vida
Colorida com vento, chuva, sol e mar
Coberta de neve ou cristalina de gelo
Os aromas intensos de mundos e gentes
Quieta no silêncio alegre de Ser e Saber
Sem o esforço inquieto de ter que fazer
Inundada pelo oceano criativo de cada respiração
Solta no momento, livre de depois, desapegada de antes
Deliciosamente entregue à mágica abundância da vida.
Sim. Com gratidão transbordo, enamorada de existir

E contigo expandir, descobrir e partilhar, aprender e crescer. Ser Amor... Amar. 


quarta-feira, 9 de março de 2016

Separate Togetherness

Working with teenagers is a very real way of getting an early peek into what the world will shortly look like in terms of social interaction. Inevitably, the teenagers of today will grow up into the adults of tomorrow and whereas some of their addictions will sooner or later tend to fade away, others will get stronger, changing the way people relate altogether.

 On top of working with teenagers, having a teenager daughter gives me an extra view of how kids nowadays relate… but then again they were born and bred in a world of separate togetherness so it should come as no surprise that they simply enhance this trend that has been evolving for the last 20 to 30 years, and more so even, in the last 10 years.

Technology is here to stay. There is no doubt about that and about its obvious benefits to human development. The thing is it has as much of a strong all-round positive effect as it has a negative one. It could be said that it is balanced for being so strong both ways. What we don’t know yet is whether the negative will eventually surpass the positive or vice versa, or, maybe stay balanced in its extremes.

One way or another, what I have come to notice more and more is that this issue of separate togetherness is more and more the order of the day. People are together without being so. The sense of sharing, of co-responsibility, of cohesion, of wholeheartedly being with others when accompanied and being alone when not accompanied… all of this is fading and creating a confused daze of insensitivity as well as unprecedented selfishness.

This generation of kids whose parents spoil them with excessive material compensation for their lack of presence in their lives, where kids are many times not educated for lack of time to be an educator, where kids do not know what a “no” means and where they are the centre of attention not only as extensions of their parents' unfulfilled dreams, but also as examples of competitive skill and achievement at all costs… this generation is becoming emotionally mute, just like their parents before them. Technologies are serving the purpose of a maid or caretaker, also functioning as pleasure fulfillers and constant entertainers, drawing youngsters’ attention further and further from their here and now, into virtual worlds of insensitive imagery where violence has become completely normal and killing is just a game.

People sit next to each other but hardly ever with each other, they interact but hardly ever offer their full attention, they look but hardly ever see and this seems to me more and more like a new generation of robots rather than humans.

I wonder whether the robots’ minds or the human hearts will prevail, in the long run…

Fortunately I know nothing really matters in the world of matter, though it might be of extreme importance to each one’s conscious evolution beyond matter. So I simply observe, feel, sometimes it saddens me, but mostly I know all is well in each one’s creation, whatever it may lead to.


What really matters is who I choose to be in the midst of all of this separate togetherness and I sure enough choose to be whole in my togetherness both inside and out, knowing that though it serves all in many invisible and visible ways, mostly it serves my reality and my choice of seeing and being beyond the limitations of a world built on illusion. 


sexta-feira, 4 de março de 2016

Insólito

Nem sei se devo contar esta história como algo cómico ou como algo triste porque neste mundo de dualidade este é um daqueles momentos em que não se sabe bem se merece mais a pena rir ou chorar ;)

Há dias falei-te do dia 1 de Março e de como foi um dia perfeito, simples e sereno. Mas não te cheguei a contar isto...

Quando rumava às terras baixas da cidade, tendo terminado a interessante visita guiada ao Convento e Castelo, fi-lo por um caminho mais curto, evitando a volta maior da estrada principal. Assim sendo cheguei às escadas que desembocam no centro da cidade, passando ao lado do parque de estacionamento coberto por detrás da Câmara Municipal. No muro estava uma menina com os seus 11 ou 12 anos ,divertida, cochichando com uma senhora de uns 60 anos, baixa e de cabelo curto, com óculos e também ela divertida. 

Qual não é o meu espanto quando desço as escadas e mesmo ali à beira do último degrau estava uma senhora com os seus 60 a 70 anos de rabo nu para o ar, com uma grande poia de m**** no chão e um papel na mão para limpar o rabo. Sem sequer abrandar segui o meu caminho... perplexa. É que a uns meros 5 metros, ao lado da escadaria, há uma casa de banho pública limpa e com papel higiénico e a uns 200 metros há outra na Mata dos Sete Montes, para não falar nos cafés da Praça da República que estavam também a uns 100 metros.

Por um lado não deixa de ser muitissimo cómico este preparo em que a senhora se encontrava. Por outro apetecia-me ter-lhe dito que é uma grande falta de respeito deixar assim os dejetos na via pública, não sendo um animal ou uma criança que ainda precisasse de aprender algo sobre civismo. Pode ter-se-lhe assomado uma súbita dor de barriga, mas ainda assim parece-me extremamente improvável que a senhora, ainda que pudesse não ser da cidade, não pudesse chegar a um café a 100 metros, quando muito.

Enfim, o interessante para mim, no meio do tragicómico desta situação, é ver como em momentos de aflição, mesmo não sendo momentos de vida ou de morte, facilmente se esquece o autorrespeito e o respeito pelos outros... e ainda se diz que o ser humano é mais inteligente, etc, etc, etc

quarta-feira, 2 de março de 2016

Tomar entre o Céu e a Terra

Escrito no dia 1 de Março - dia de Aniversário da Cidade de Tomar fundada, diz-se, no dia 1 de Março de 1160 pelo Grão Mestre da Ordem dos Templários D. Gualdim Pais


Se há coisa que adoro é despertar pela manhã sentindo a cidade serena, sem o bulício de um qualquer dia atarefado perdido nas obrigações da semana. Hoje foi precisamente um desses dias de cidade serena, deleitando-se num alegre saltitar de raio em raio que o sol tão generosamente lhe ofereceu. É que hoje o azul celeste do céu ouviu o sino do Convento de Cristo repicar, dizendo que era hora de celebrar o dia de tão ilustre cidade. Ilustre mas singela no seu encanto, numa combinação perfeita entre a força valente da masculina Ordem dos Templários e a graciosidade suave das suas ruas e jardins.

Nem o ruído da motosserra do vizinho entretido na poda das suas árvores conseguiu tirar-me a paz de ficar aconchegada no colo quentinho do meu macio edredão até que fora hora de enfim abrir os olhos para um dia igualmente aconchegante.

De entre muitas outras atividades comemorativas do dia da cidade houve hoje dois momentos de visita guiada ao Convento de Cristo e Castelo, oportunidade que decidi aceitar com muita gratidão.
Subindo pelas pedras de calçada gasta, apreciando o verdejar que orla esse majestoso monumento que vigia perenemente a cidade, porventura cheguei à porta do dito lugar. Dei-me conta que não levava a minha pequena máquina fotográfica que tanto gosto de usar para capturar o que o olho vê, nem sempre com sucesso mas pelo menos com vontade.

Nem de propósito acerca-se um indivíduo num motociclo que reconheci entretanto como sendo um amigo, também ele apreciador do olho fotográfico. Vinha em passeio, aproveitando o bom tempo e as artes templárias representadas no interior das muralhas do castelo. Eu vinha para a visita guiada. E qual não é o meu espanto, com muito agrado é certo, quando digo que é pena eu não ter trazido a minha máquina, ao que ele responde entregando-me a sua! “Toma, usa esta que eu tenho aqui outra.” Estas simples co-incidências de quereres e poderes fazem-me sempre sorrir com grato agrado.

Ele acabou por vir também à visita guiada que muito apreciou pelo sentido de humor e simplicidade e no final quando cada um tomaria o seu próprio rumo de volta às terras baixas da cidade contou-me a improvável história da sua máquina – aquela que ele agora usa.

Este meu amigo tem por hábito preencher algum do seu tempo livre passeando o seu olhar improvável por pormenores do meio envolvente que lhe despertam o gosto fotográfico e por fim oferece-nos estes seus olhares artísticos partilhando alguns álbuns na sua página Facebook. Ora uma amiga sua, fotógrafa profissional, reconheceu nele esse quê de artista ainda que percebesse que com certeza a sua máquina não seria uma das melhores. Posto isto, numa das suas visitas a Tomar chamou-o e informou-o da sua intenção de deixar a fotografia profissional, tendo que se desfazer de muito do material adquirido ao longo dessa frutífera carreira. Sendo que vender a sua primeira máquina digital profissional não lhe renderia nem um quinto do valor investido decidiu entrega-la a este amigo de que vos falo. Ele, com muito espanto disse “muito obrigada por te lembrares de mim, mas eu não tenho dinheiro para te dar por isso não posso ficar com ela” ao que a amiga retorquiu “mas eu não quero dinheiro por ela, é um presente que te dou.”

Sabes como é estranho receber presentes valiosos assim, completamente de surpresa, sem sequer ter pedido nada, não é? A princípio fica-se sem saber o que fazer ou dizer mas depois, se formos suficientemente humildes para saber receber com gratidão o que tão generosamente nos querem ofertar, sabendo ainda por cima que é uma dádiva sem recurso a manipulação, somos capazes de sorrir, abraçar, agradecer e receber para depois usar com o cuidado que tudo o que amamos de verdade requer.

E assim é que decidi partilhar contigo este pequeno episódio do meu dia 1 de Março, tendo trazido a máquina do meu amigo para casa (a sua primogénita… pois agora a profissional ocupa muitas vezes o seu lugar) para lhe entregar depois de descarregar as minhas fotos.

***
Hoje, dia 2 de Março, as nuvens decidiram colorir o azul do céu, trazidas pelo vento que entretanto se assomou da cidade… e sorrio sentindo como realmente o dia 1 de Março foi uma dádiva perfeita para que Tomar (antiga Thomar) pudesse comemorar o seu aniversário com grande pompa e circunstância junto com os seus amigos mais queridos, os habitantes e visitantes miúdos e graúdos que aceitaram o convite e participaram na “festa”.


Muito grata por viver e conviver nestas antiquíssimas terras não só Templárias, mas mouras e romanas também… tudo a seu tempo... esta mui nobre cidade onde D. Manuel desafiou as leis da igreja considerando que Castidade era coisa da Alma e não necessariamente do Corpo :)... Cada um formata a realidade como muito bem lhe aprouver e assim se vive a subjetividade dual da vida na Terra, justificada pelas crenças na unidade do Céu.

Num tempo em que as Rainhas não eram mulheres... eram Rainhas e em que por virtude de circunstâncias várias mulheres também foram Governadoras de Portugal, percebe-se que tal como hoje, de uma forma ou de outra, tudo era possível quando aceite ;)