segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Money, Abundance... / Dinheiro, Abundância... / Part 7

Money, Abundance, Happiness and Freedom - Part 7

Dinheiro, Abundância, Felicidade e Liberdade - Parte 7 


Important Note: if there is something you believe you desperately need and therefore desperately seek, the message you are sending out to the Energy that is supposed to serve you is that you want to experience needing and seeking. This, in turn, will perpetuate that very same experience – it will keep you needing and seeking that which you believe you need and don’t have.


How to turn this around?

Let go. Surrender to the Trust that that which you believe you need will come to you, if you really do need it.

It will be challenging to let go. Your Ego will be saying it is a silly thing to do, it will be questioning that Trust and it will be pushing you into an uncomfortable fidgety feeling that you should be doing something about getting that which you need to seek. Nevertheless, allow yourself to stop until the dust settles and the seeking compulsion starts to fade. After this, feel whether you really need that which you were seeking. If you still long for it then make a clear and conscious choice for that to come into your life with Ease, Trust and Simplicity. Then let go and live your life in Gratitude, Joy and Love. Know that that which you sought will show itself to you, now that you have gotten out of the way so that it can finally find its way into your reality and serve you.

Remember: seeking perpetuates seeking, need perpetuates need and so on.

Just another thing: the Ego/Mind will always question Trust. It doesn’t know what it is. It is the Master of Doubt. That’s how it creates reality within Survival Mode. In order to fall into Trust, one needs to Surrender to Essence. That’s where Trust is a Fact. Once one allows oneself to fall into Trust, then the Ego/Mind will eventually also Surrender and Trust, not because it knows what it is but because it has no other option – you are no longer giving it heed so it is left without a purpose.

You are the chooser, you are the allower, you are the Master and the Standard Example for All of You to Surrender and BE.





Here is another Abundant moment I share with you: last Sunday when I got up, I had this smile waiting for me at the breakfast table :) I stayed at a couple of friends' home and they literally treated me like a queen, even though we had only been together twice. They not only invited me to stay at their home, but also took me to the ballet and when I arrived at their home they had a bag of spices waiting for me - things they were no longer going to use because they were returning to the States in a few weeks and had bought extra amounts of these things. I was speechless, not knowing how to fully express the depth of my Gratitude. 

What did I give them? Apart from my Joy and Love, I offered them two books of mine together with Respect and immense Gratitude. 









Other than this, on Saturday I had two book presentations (BE!... Love: Beyond Illusion) which were entirely organized for me, where I shared and received so much Love it is indescribable - and of course sold a good amount of books, which I am very thankful for too. And for each book sold I put 1€ aside for an Educational Project I will choose to sponsor this year. 

______________________________________________________________________________



PT


Nota importante: se houver algo que acreditas necessitar desesperadamente e que por isso buscas desesperadamente, a mensagem que estás a enviar para a Energia que te serve é que queres experienciar a necessidade e a busca. Isto, por sua vez, perpetuará essa mesma experiência – vai manter-te na necessidade e na busca daquilo que acreditas necessitar e que acreditas não ter.


Como dar a volta a isto?

Larga. Entrega-te à Confiança de que aquilo que acreditas necessitar virá ao teu encontro, se precisares mesmo disso.

Largar vai ser desafiante. O teu Ego dirá que é uma tolice, questionará a tua Confiança e far-te-á sentir desconfortável e irrequieto, criando a sensação de que deverias estar a fazer alguma coisa para conseguires obter aquilo que buscas. No entanto, permite-te parar até que a poeira assente e a compulsão da busca se comece a dissipar. Depois, sente se precisas mesmo disso que procuras. Se ainda for um desejo teu então faz uma escolha clara e consciente para que isso entre na tua vida com Simplicidade, Fluidez e Confiança. A seguir larga. Larga e vive a tua vida em Gratidão, Alegria e Amor. Sabe que o que procuravas se há-de mostrar, agora que saíste do caminho para que possa finalmente encontrar o caminho para entrar na tua realidade e servir-te. 

Lembra-te: a busca perpetua a busca, a necessidade perpetua a necessidade e assim por diante.

Só mais uma coisa: o Ego/ Mente vai sempre questionar a Confiança. Não sabe o que isso é. É a/o Mestre da Dúvida. É assim que cria a realidade dentro do Modo de Sobrevivência. Para cairmos na Confiança, é necessário rendermo-nos à Essência. É aí que a Confiança é um Facto. Uma vez que nos permitamos cair na Confiança, o Ego/Mente render-se-á eventualmente e Confiará também, não porque saiba do que se trata mas porque não lhe resta outra opção, uma vez que não lhe dás mais ouvidos, deixando-a/o sem propósito.

És tu quem escolhe, és tu quem permite, és tu o Mestre e o Exemplo para que Todas as Partes de Ti se Rendam a apenas SER.




Mais uma partilha de Abundância: no domingo quando me levantei tinha este sorriso à minha espera na mesa do pequeno almoço :) Fiquei em casa de um casal amigo que me tratou como uma rainha e ainda que só tenhamos estado juntos 2 vezes, não só me convidaram para ficar em casa deles, como me levaram ao bailado e quando cheguei a casa deles tinha um saco com mercearias à minha espera - coisas que já não vão usar porque vão embora para os EUA daqui a poucas semanas e que tinham comprado amais. Fiquei sem palavras para expressar a minha profunda Gratidão.
O que lhes ofereci eu? Para além da minha Alegria e Amor, ofereci-lhes 2 livros meus, Respeito e imensa Gratidão. 









Para além disto no Sábado tive duas apresentações do meu livro (SER!... Amor: para além da Ilusão) que foram totalmente organizadas para mim, inde partilhei e recebi tanto Amor que é indescritível - e claro está, também vendi uma boa quantidade de livro, pelo que estou mutissimo grata. E por cada livro vendido ponho de parte 1€ para um projeto educativo que escolherei patrocinar este ano. 

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Money, Abundance... / Dinheiro, Abundância... / Part 6

Money, Abundance, Happiness and Freedom - Part 6

Dinheiro, Abundância, Felicidade e Liberdade - Parte 6
(Versão Portuguesa abaixo)


The gates to the Garden of Abundance are generally elusive for lack of acceptance of its Infinity.

Let me explain.

Abundance itself is unlimited, infinite and permanent. In the world of duality where we are here on Earth, we live exactly the opposite: limitation, finitude and impermanence.



So tapping into something with no boundaries is an enormous challenge of acceptance – the acceptance of the fact that what we perceive in 3D reality is mostly and illusion.

In order to let go of the limited perception 3D offers us, we first need to open up to the fact that there is more to reality than meets the eye – in other words, there’s more to reality than we can grasp at any given moment.


The boundless divinity where all of creation is born and returns to in a constant alchemical recycling of energy is everywhere, both tangible and intangible.

We are not just human and nothing is just unidimensional.

The extent to which we are willing to accept this, determines the extent of our willingness to embrace Abundance.

Further even, the extent to which we are willing to surrender our Small Human Self, usually called the Ego, to our expanded Self – usually called Soul or Spirit (I call it Essence, or The God Within), determines our capacity to embrace abundance.


It is the Ego that creates all of the illusions necessary to live the paradigm of survival, i.e.: suffering, effort, fighting, endless unfulfilled desire, emptiness, depression, anguish… All of that which sooner or later becomes so unbearable that we finally feel the click inside, the urge to listen to that still silent voice that softly whispers boundless abundance, nurturing us with endless Love and eternal Peace.

We all have a knowingness it exists, but find it hard to believe in something so simple, fluid, unlimited and eternal, so we keep on fooling ourselves into believing the opposite – sometimes surrendering in hiccups (sometimes we do, sometimes we resist), making the gates to the Garden of Abundance appear and disappear in honour of the Master illusionists we are.

I will share a bit of my love story with Abundance with you.

At the beginning, when I started to realise it could be a different way, one thing I came across was a huge resistance to so much. It’s as if the sheer notion of Abundance was so overwhelming it would destroy me – making me explode with its intensity. And it does. It implodes the Ego and explodes a Life of Bliss into our entire reality.

I used to ask myself: can I take it? Am I capable of handling so much?



So I had to teach myself, through surrender to the guidance of Essence. I had to teach myself how to let go of my old paradigm in order to embrace the new one I knew I wanted. I had to allow the impossible to be possible and let go of the need to know… the need to know How? What? When?

There were many Why’s too and my Essence, God within me, which is the same as God everywhere, would gently show me the answers, never forcing, never arguing, never judging, just showing one breath at a time.

The more I gave myself to the One that I Am, acknowledging my preciousness and accepting that no less than that could reflect back at me through my reality, the more my life became a magical stream of Abundance in all forms – money being the least relevant of it all.



Just a side note here about money. The reason why it seems so all-important and mighty, is that it creates an illusory seduction around it, making it seem more relevant than any other form of Abundance and is then used to manipulate us through the creation of unfulfilled desires and illusory needs which require it in order to be fulfilled. But once fulfilled, one desire or need turns into another and another and another in a never ending story of lack and futurology (“when I have ….. (whatever one may want to use to fill the space) I will be happy/ fulfilled/ complete…). The thing is nothing outside can create permanent fulfilment or joy, love or peace, harmony or balance. It works from the inside out.

I could go on and on about this fascinating subject, but I will just wrap it up with an illustration of the Abundance I live in my life on a daily basis, just by sharing instants of this past week’s Abundance with you:

* An invitation to stay at a couple of friends’ house in Lisbon, after my book presentation (BE!... Love: Beyond Illusion) + an invitation which includes the ticket to go an watch a beautiful ballet on Sunday, curiously about the blend between Feminine and Masculine.

* An offer to have a meeting room at a Hotel in Porto paid for + publicity for me to present my book there successfully.

* 2 new work opportunities.

* A free SPA session.

* A Word Course where I am being guided to improve and expand my limited skills with this software, which is in fact the one I use the most on a daily basis.

* The first 30 copies of my book sold.

* New clients together with their Trust and Love.

* Meetings with friends from all over the world where just in the course of one week we have shared work opportunities, Inspiration, Motivation, Love, Joyful Celebration of this gift of Life we are living on the same planet, at the same time.

* New connections to spread my work across the world.

* Apples, pomegranates, grapes, tangerines, homemade marmalade, cabbage, sweet potatoes, spinach, tomatoes, pumpkin, physalis, eggs, lemons, cereals, chocolate powder, dried fruits, toothpaste, deodorant, shampoo, hair softener, bread, spaghetti, pizza, cakes, energy bars, biscuits, cheese, ham, parsley, beetroot, leek, chayote, clothes for my son, a cardigan for me.

* Several lunches and dinners.

* Free access to 2 Gyms.

* Money from my work and from other simple opportunities that have come my way.

* Love, recognition, acknowledgment, understanding (now that I am not seeking for it anymore) wisdom, knowledge, joy, peace, guidance, fulfilment…

I might be forgetting something but anyway this is just an illustration of the past week. All my weeks are like this. All of my days are filled with a bubbling stream of Abundance which I continuously thank and share.

And of course I give with the same generosity I receive. I give my entire consciousness to the World, I give my Time, I give my Love, I give my Compassion, I give my Peace, I give my Silence, I give my Wisdom, I give my Balance, I give my Harmony, I give my Inspiration, I create Opportunities, I give money too, I give food and books and other things, I give my energy in a wonderful creative exchange where there is always much more than enough.

And so it Is. Blessed be the Abundance I allow in my Life and may it splash into the lives of all of those who also choose to allow it :)



***
PT

Os portões do Jardim da Abundância são geralmente difíceis de discernir por falta de aceitação da sua Abundância.

Deixa-me explicar.

A Abundância em si mesma é ilimitada, infinita e permanente. No mundo da dualidade em que vivemos aqui na Terra, experienciamos exatamente o oposto: limitação, finitude e impermanência.

Por isso mergulhar em algo que não tem limites é um enorme desafio de aceitação – aceitação do facto que o que percecionamos no âmbito da 3ª Dimensão é na sua maior parte uma ilusão.

Para podermos largar a perceção limitada que a 3D nos proporciona, em primeiro lugar temos que abrir-nos para o facto de que a realidade que reconhecemos é apenas uma parte do todo – por outras palavras, a realidade é muito mais ampla do que o que conseguimos alcançar e perceber a dado momento. 



A ilimitada divindade onde toda a criação nasce e para onde retorna numa reciclagem alquímica constante de energia está em tudo, em toda parte, quer seja tangível ou intangível.

Não somos apenas humanos e nada é apenas unidimensional.

O ponto até ao qual estamos dispostos a aceitar isto, determina a nossa capacidade para abraçar a Abundância.

Mais: o ponto até ao qual estamos dispostos a render o nosso Pequeno Eu Humano, geralmente designado de Ego, ao nosso Eu Expandido, geralmente designado de Alma ou Espírito (eu chamo-lhe Essência ou o Deus em Mim- em tudo e em todos), determina a nossa capacidade para abraçar a Abundância.

É o Ego que cria todas as ilusões necessárias para vivermos o paradigma da sobrevivência, isto é: sofrimento, esforço, luta, desejos intermináveis, vazio, depressão, angústia… tudo o que mais tarde ou mais cedo se torna tão insuportável que finalmente sentimos o clique cá dentro, o anseio por dar ouvidos àquela vozinha silenciosa que suavemente nos sussurra Abundância Infinita, nutrindo-nos com Amor incomensurável e Paz eterna.

Todos temos a sabedoria de que este algo mais existe, mas é-nos difícil acreditar que possa ser tão simples, tão fluido e ilimitado, eterno e total, por isso vamo-nos ludibriando com o oposto – ás vezes rendendo-nos aos soluços (ás vezes rendemo-nos, outras vezes resistimos), fazendo com que os Portões da Abundância apareçam e desapareçam em honra dos Mestres Ilusionistas que somos.



Vou partilhar um pouco da minha história de Amor com a Abundância contigo.

No início, quando comecei a dar-me conta de que a vida poderia ser vivida de uma forma diferente, uma coisa com que me deparei foi com uma enorme resistência em aceitar a possibilidade de tanta Abundância. É como se a mera noção de Abundância fosse tão avassaladora que me destruiria – fazendo-me explodir com a sua intensidade. E faz. Implode o Ego e explode uma Vida de Plenitude que se espalha por toda a nossa realidade.

Costumava perguntar-me: será que posso aceitar tudo isto? Será que me aguento com tanto?



Tive então que ensinar-me, através da rendição à tutoria da minha Essência. Tive que ensinar-me a largar o velho paradigma para poder abraçar o novo que eu sabia que queria. Tive que permitir que o impossível se tornasse possível e largar a necessidade de saber… a necessidade de saber Como? O quê? Quando?

Havia também muitos Porquês e a minha Essência, Deus em mim, que é o mesmo que Deus em toda a parte, mostrava-me gentilmente as respostas, nunca forçando, nunca discutindo, nunca julgando, apenas mostrando, uma respiração de cada vez.

Quanto mais eu me rendia ao Um que Sou, aceitando a minha preciosidade e percebendo que nada menos que isso poderia refletir-se de volta para mim através da minha realidade, mais a minha vida se foi tornando um fluxo de Abundância sob todas as formas – sendo o dinheiro a menos relevante de todas.

Apenas uma nota acerca do dinheiro. O motivo porque este parece tão importante e poderoso, é que cria uma sedução ilusória em torno de si mesmo, fazendo com que pareça mais relevante do que qualquer outra forma de Abundância e é depois utilizado para manipular-nos através da criação de desejos não realizados e necessidades ilusórias que o requerem para poderem ser colmatadas. Mas uma vez preenchidos esses desejos e necessidades, nascem outras e outras e outras numa história interminável de escassez e futurologia (“quando eu tiver… (o que quer que queiras usar para preencher o espaço), serei feliz/completo/ realizado…). O que se passa, de facto, é que nada (nem ninguém) fora de nós pode criar completude permanente, ou alegria, amor, paz, harmonia ou equilíbrio. Isto funciona ao contrário: de dentro para fora.

Poderia continuar e continuar a partilhar noções sobre este assunto fascinante, mas vou simplesmente terminar com uma ilustração da Abundância que vivo na minha vida diariamente, partilhando instantes abundantes vividos no decurso de apenas uma semana:

* Um convite para ficar em casa de um casal amigo em Lisboa, após a apresentação do meu livro (SER!... Amor: para Além da Ilusão) + um convite que inclui o bilhete para assistir a um bailado lindíssimo no domingo, curiosamente acerca da fusão do Feminino e Masculino.

* A oferta de uma sala de reuniões num Hotel no Porto + publicidade para promoção da apresentação do meu livro nessa cidade.

* 2 novas oportunidades de trabalho.

* Uma sessão de SPA gratuita.

* Um curso de Word onde estou a ser guiada a melhorar e expandir os meus skills limitados com este software, que é de facto o que mais uso diariamente.

* As primeiras 30 cópias do meu livro vendidas. 

* Novos clientes junto com a sua Confiança e Amor.

* Reuniões com amigos ao redor do mundo onde numa semana apenas, conseguimos partilhar várias oportunidades de trabalho, inspiração, motivação, amor, celebração alegre desta dádiva da Vida que partilhamos neste mesmo planeta, neste mesmo tempo.

* Novas conexões para espalhar o meu trabalho ao redor do mundo.

* Maçãs, romãs, uvas, tangerinas, marmelada caseira, couve, batatas doces, espinafres, tomates, abóbora, physalis, ovos caseiros, limões, cereais, chocolate em pó, frutos secos, pasta dos dentes, desodorizante, champô, amaciador, pão, esparguete, pizza, bolos, barras de cereais, bolachas, queijo, presunto, salsa, beterraba, alho francês, chu chu, roupas para o meu filho, um casaco para mim.

* Alguns almoços e jantares.

* Livre acesso a 2 ginásios. 

* Dinheiro do meu trabalho e de outras oportunidades simples que têm aparecido no meu caminho.

* Amor, reconhecimento, aceitação, compreensão (agora que já não ando à procura de nada), sabedoria, conhecimento, alegria, paz, plenitude, ensinamentos, clareza.

Posso estar a esquecer-me de alguma coisa mas seja como for esta foi apenas uma ilustração da semana passada. Todas as minhas semanas são assim. Todos os meus dias estão plenos desta torrente borbulhante de Abundância que continuamente agradeço e partilho.

E claro, dou com a mesma generosidade que recebo. Dou a minha consciência ao Mundo, dou o meu Tempo, o meu Amor, dou a minha Compaixão, dou a minha Paz, o meu Silêncio, a minha Sabedoria, dou o meu Equilíbrio, a minha Harmonia, dou comida, coisas e dou dinheiro também, dou a minha energia numa maravilhosa troca criativa onde há sempre muito mais do que apenas o suficiente.

E assim É. Abençoada seja a Abundância que permito na minha vida e que ela salpique as vidas de todos quantos escolham permiti-la também :) 










domingo, 19 de novembro de 2017

O Poder da Escolha Consciente - Eco Trip/ Take 12

Dia 11 - 23 de Agosto

Plenitude ilimitada

O parque, que parecia super sossegado – não era ao pé de estradas e autoestradas, nem tinha muita gente – afinal tinha aviões a passar o tempo todo. Nem tudo é o que parece, mais uma vez a lição repete-se. Mesmo assim dormimos tranquilos e adorámos a envolvência das árvores e da enorme lagoa de Veneza.

Vamos apanhar o ferry ás 8h da manhã, para podermos aproveitar bem o nosso tempo. O carro fica a descansar no camping porque o cais do ferry fica a uns escassos 500 metros daqui.

É encantadora a aproximação à romântica cidade cuja riqueza histórica se perde no tempo. Já tinha vindo aqui, mas de comboio por isso desta vez é como se fosse a primeira. Muda-se a perspetiva, muda tudo.



Uma das peculiaridades de Veneza é que não há veículos terrestres, nem sequer não motorizados. Nada. Toda a gente se move a pé, incluindo os carros do lixo que são puxados pelas pessoas que param em cada loja e prédio para recolhê-lo.

E nós queremos ver o máximo possível por isso há que caminhar muito e não devagar demais.
Como chegámos cedo ainda não há muitos turistas, mas há muitas pessoas a caminho do trabalho. É como outra cidade qualquer em que as pessoas vão com pressa para cumprirem os seus afazeres laborais e temos o privilégio de ver que apesar do romantismo deste lugar, o dia-a-dia dos locais é semelhante ao dos outros por onde temos passado. Vive aqui imensa gente! Ainda bem que não há veículos.



Apreciamos as ruas, as pontes e canais, as praças e pracetas, os monumentos e galerias de arte e em nenhum lugar encontramos um jardim. Uma senhora passeia os seus 3 cães que se acercam do canteiro de uma árvore para poderem sentir a terra e aí fazerem as suas necessidades e nós aproveitamos para descansar um pouco num banco ao lado da árvore, observando a senhora com os cães e outros episódios da vida citadina.







Eventualmente chegamos à Praça de S. Marcos com a sua grandiosa catedral. Decido abraçar o lado artístico deste portentoso monumento que como tantos outros mostra a capacidade criativa imensa do ser humano quando inspirado pelo divino.







Não se paga para entrar!!!!! Quando nos damos conta disto pomo-nos logo em fila. Ficamos espantados como é tão curta. Passados uns 5 minutos já estamos lá dentro. Uma senhora faz-me comprar por 50 cêntimos uma espécie de pano branco para cobrir os ombros. Não estou de alças mas sim de cavas, pelo que há que cobrir o corpo em sinal de pudor. Aceito e respeito estes costumes, por mais absurdos que me possam parecer e sigo com a coberta branca. No final vou guardar para servir de pano para piqueniques J

Ainda que respeite e aceite os usos e costumes de cada local não posso deixar de referir que um Deus que se apregoa ser completamente Amoroso e Compassivo para com os seus Filhos, não poderia encontrar mácula nuns braços nus, ou em qualquer outra parte do corpo, diga-se, pois se tudo foi criado à Sua imagem e semelhança, como a própria Bíblia o diz, quando muito amará os corpos que criou e celebrará a Vida que neles corre, nus ou vestidos, pouco importa.

Já para não falar no papel fantástico dessa criação chamada Pudor no aprofundar da suas irmãs Vergonha e Culpa, trio através do qual se consegue manipular o comum dos mortais a acreditar no Castigo Divino e assim a assentir a um sem fim de atrocidades que em nome do Pudor se têm cometido, não só no seio da religião Católica.

Bem, mas passemos adiante.

Lá dentro não se podem tirar fotos, apenas absorver o esplendor com os olhos. E assim fazemos, honrados por estarmos aqui. 

Há tanta gente!!!! 

Não admira, pois para além de não se pagar a entrada este sítio é mesmo muito lindo.

À saída vemos que a fila dá a volta ao quarteirão e ficamos sem saber como foi possível que ela só tivesse crescido depois de nós podermos entrar em 5 minutos, mas pouco importa. É apenas mais uma magia do dia.

Hoje escolhi viver em Compaixão, em Aceitação plena e entrega à minha Essência. E assim tem sido.




As Gôndolas que se passeiam pelos canais, ou que estão simplesmente paradas a convidar os turistas a aconchegarem-se nos seus confortáveis assentos, deliciam-nos, tal como as fachadas dos edifícios, o mercado dentro e fora de água, o barco dos correios, o barco ambulância, o barco das mercearias… 









Veneza é um pitoresco desfile de momentos únicos que faz jus ao romantismo que a fama lhe assiste.




Ao cabo de uns 10 km e umas 3 ou 4 horas de passeio temos que decidir se almoçamos por aqui ou se apanhamos o barco de regresso.

O apelo de almoçar em Veneza ganha e escolhemos um snack que vimos no caminho de chegada, numa rua mais afastada do centro, onde servem pratos italianos, pizzas e uns mini wraps (não é assim que lhes chamam mas não tomei nota do nome e é uma coisa que só eles fazem). Escolhemos isso e umas beringelas cobertas com tomate e queijo e mais uma sandes. O senhor pergunta-nos se queremos beber alguma coisa e decidimos tomar uma cola e uma 7Up. No final, quando vem a conta, reparamos que apesar dos preços da comida serem razoáveis aqui, cada bebida custou 4€! Devíamos ter pedido a carta das bebidas com o preço. Mas agora é tarde e estamos satisfeitos na mesma.



E ainda temos o privilégio de ouvir este senhor com a sua arte



Há barcos de meia em meia hora pelo que apanhamos o próximo e vamos vendo a enorme cidade a afastar-se, conforme passamos por várias outras ilhas, muitas delas dormitórios, como os que orlam
qualquer grande cidade. E ninguém tem carro. 



Questiono-me como fazem quando querem ir para outros lugares fora deste microcosmos. Há transportes, claro, mas por vezes isso não é o suficiente.

Bem, estamos de volta ao camping – são umas duas da tarde. Temos ainda tempo para tomar um bom duche e arrumar bem o nosso super veículo.

Hoje vamos até Cremezzano em San Paolo, onde o nosso amigo Luigi Pescini nos vai receber na sua casa, mas antes ainda queremos passar por Pádua e Sirmione.

Por Pádua acabamos por passar apenas de carro e seguimos caminho. 

Chegamos a Sirmione por volta das 18h. Está um corrupio de gente por todo o lado! É uma estância de férias à beira de um lago giganterrimo e lindissimo também – o Lago di Garda na região da Lombardia. Este lago é o maior da Itália, tem uma área de 370 km2 (mais de 50 km de comprimento) e chega quase aos 350 m de profundidade, tendo nascentes de águas termais quentes que abastecem os spas de alguns hotéis locais. Os alpes circundam algumas das suas margens e a paisagem é absolutamente maravilhosa, bem como o azul da sua água cristalina. Ficamos rendidos.


Acabamos por decidir ir fazer um passeio de barco – o segundo do dia – em volta da península de Sirmione, para podermos desfrutar plenamente deste tesouro natural. O marinheiro indica-nos diversas curiosidades, de entre as quais a casa de Maria Callas, factos históricos e outros geográficos. No barco vão alemães, duas senhoras francesas e alguns suecos, para além de nós, por isso o senhor tem oportunidade para mostrar a sua perícia ao ter que falar em 3 línguas consecutivamente.






Hoje tem sido um dia tão pleno de beleza que estamos transbordantes de Vida em toda a sua profusão. 

Não quero deixar de celebrar o facto de estar neste lugar magnífico sem ir ao banho! E vou. Depois da nossa viagem de barco, quando já todos se foram embora da praia fluvial, lá vou eu, banhar-me nesta água fresca e macia… tão macia. Que deleite!



Já o sol vai bem baixo no horizonte e temos que ir até casa do Luigi que não fica muito longe daqui. Por isso toca a vestir e seguir caminho.

Chegamos já de noite e somos recebidos com muito carinho. A casa é muito bonita e confortável e hoje vamos dormir numa cama com um excelente colchão (não é que nos outros dias também não tenha sido este o caso).

Conversamos, rimos, partilhamos até que temos mesmo que ir dormir pois o dia foi longo e intenso e agora nada melhor que um bom descanso para integrar tudo o que hoje recebemos – tanto que não haveria forma de converter tudo isto em euros ou dólares…

Ainda não te disse, mas está um calor imenso! Tem estado, aliás, ao longo de todos estes dias, mas hoje mais ainda. Vamos ter que dormir com a janela aberta… E há um sino da igreja que toca todos os quartos de hora!!!! Oxalá o sono nos embale de tal maneira que o sino se dissipe no seio dos nossos sonhos.

Aqui vou eu, mergulhar no vale encantado dos lençóis serenos.


Até amanhã!